O desenvolvimento de competências para reagir à mudança é a melhor resposta para os cenários actuais e as equipas multidisciplinares e autogerenciáveis e a tecnologia da informação são factores críticos de sucesso.
Alguns princípios norteadores destas empresas são a promoção da criatividade, a colaboração, foco na agilidade, na capacitação contínua, recompensas à solução de problemas complexos e todas as acções que devem sempre estar articuladas com uma visão de longo prazo.
De acordo com Kanter, no estudo da promoção da criatividade em ambientes empresariais, elaborou uma lista de factores que devem ser combatidos, tais como a predominância de relacionamentos verticais, ausência de acções que promovam as comunicações horizontais, ferramentas, recursos, veículos formais para inovação limitadas e o reforço da cultura da inferioridade. A reinvenção do fluxo de valor de Martin é uma competência interna de grande valia, por ser um fluxo de valor de actividades do início ao fim que gera um resultado para o cliente.
Por outro lado, Cooper sugere um processo sistemático em estágios que permitem reduzir a incerteza através de critérios de decisão avaliados a cada fase de desenvolvimento.
A empresa adaptada à nova década deve, portanto, ser orientada ao design, incluindo métodos e ferramentas que possibilitam a criação e avaliação contínua de produtos, processos e fluxos de valor que possam encantar o cliente externo e interno a todo tempo.
Nesta perspectiva, o empreendedor deve ter a sensibilidade de captar necessidades e aspirações adormecidas, a audácia para acordá-las e a perseverança para nutri-las diariamente e deve pensar como um eterno aprendiz, nunca satisfeito com aquilo que aprendeu, sempre buscando aquela peça nova de conhecimento que vai encaixar no gigantesco quebra-cabeças que vem montando ao longo de sua vida, até sua missão encontrá-lo.
A missão do empreendedor nunca é o lucro, mas sempre algo intangível e colectivo. É ajudar outros a serem mais eficientes, a viver melhor, a não sofrer, a sonhar mais alto, a chegar mais longe. Por isso, não existe empreendedorismo solitário.