As criptomoedas e tokens como ferramentas de negócios é um conceito particularmente difícil para aqueles não familiarizados com a tecnologia do blockchain. Muitos executivos vêem moedas digitais que usam o blockchain como um método de pagamento complicado ou como um investimento especulativo.
Mas existem cada vez mais sinais que mostram que as organizações reconhecem essas características como combustível para inovação de produtos e serviços ou para eliminar a fricção dos negócios por trás de cada transação.

Aliados improváveis
Por exemplo, um grupo de 14 firmas financeiras, liderado pelo banco de investimentos UBS Group AG e incluindo empresas como Barclays, Nasdaq, Credit Suisse, Bank of New York Mellon e Street Bank & Trust Co, criou uma nova companhia: a Finality International.
Ela controla o desenvolvimento de tokens similares ao bitcoin que tais empresas planeam usar para transações internacionais. O token, que é chamado de “moeda utilizada para acordos”, é usado para que bancos realizem transações directas sem envolver uma terceira entidade, removendo camadas custosas e ineficiência.

Benefícios
Tokens digitais que usam o blockchain têm atributos muito atraentes que possibilitam algo novo: fundir negócios e actividades operacionais com o movimento financeiro. De repente, dinheiro pode ser programável, termos e condições podem ser embedados na forma com a qual o dinheiro vai de um lugar para o outro. Isso é certamente possível actualmente, mas o potencial de redução de custos que o uso de códigos pode trazer é tentador.
Além disso, tokens digitais são feitos para serem interoperáveis. Normalmente eles são rastreáveis, então podem ser claramente auditáveis e tem o potencial de se estabilizarem quase que imediatamente.

Reguladores e perigos
O anúncio do Facebook sobre a libra levou a discussões no comité bancário do senado norte-americano e audiências frequentes no comité de serviços financeiros do congresso. Nessas audiências, o líder bancário do senado, Mike Crapo, do estado do Idaho, espera complexidades à frente. “A libra é baseada numa tecnologia relativamente nova e em desenvolvimento, que não possui regras e leis claras.