A globalização económica trouxe às empresas uma necessidade de olhar para dentro e fora, melhorar e repensar as suas actividades, dada competitividade e o acirramento da concorrência. As grandes transformações se dão devido às aberturas económicas internacionais e a necessidade de se buscar uma eficiência e eficácia cada vez maior em razão do mercado cada vez mais acirrado.
A quebra de fronteiras mercadológicas e a necessidade de capital para a expansão das actividades e aprimoramento tecnológico também são um factor de extrema relevância para as empresas na actualidade. A conjuntura tem resultado na reconfiguração das relações económicas nacionais e internacionais, em especial na necessidade das empresas serem mais eficientes e eficazes nas suas actividades.
Para os empreendedores os problemas começam já na definição de qual negócio montar, quando será o melhor momento, onde, a concorrência, os impostos, a burocracia para abrir a empresa nos órgãos competentes e por aí vai. No geral os empreendedores têm uma ideia da actividade a ser desenvolvida e em muitos casos a experiência no ramo que desenvolverá o seu negócio, porém quando começa a falar na administração do negócio, nas questões financeiras e controlo.