Oranking, com 100 companhias de todo o mundo, classifica as corporações pela sua performance em critérios como redução da emissão de gás carbônico, desperdício, diversidade de gênero no conselho da empresa, receita derivada de produtos sustentáveis e sustentabilidade em geral. No seu 15º ano, a lista é compilada pela revista canadiana especializada “Corporate Knights”, que analisa 7,5 mil empresas com receita anual superior a um bilhão de dólares.
O topo da lista deste ano é ocupado pela Chr. Hansen Holding, empresa dinamarquesa de biociência que obtém mais de 80 por cento da sua receita desenvolvendo soluções naturais para preservar alimentos como iogurte e leite e protegendo as plantações por meio do uso de bactérias naturais em vez de pesticidas.
Em entrevista à Forbes, o presidente e co-fundador da revista canadiana, Toby Heaps, disse que a primeira colocada foi uma surpresa e que a empresa, fundada em 1874, não é muito conhecida. “Não é uma empresa voltada para o consumidor final, mas ela provavelmente afecta os alimentos de centenas de milhões de pessoas todos os dias e torna a comida que estão a consumir mais segura”, afirma.
Aproximadamente 30 por cento do Conselho da Chr. Hansen Holding é composto por mulheres, de acordo com o estudo da “Corporate Knights”, e o salário do CEO é cerca de 24 vezes maior do que a média do funcionário – uma taxa baixa para o ranking.
Na vice-liderança está a Kering SA, empresa francesa mais conhecida pelas marcas de consumo que possui – as grifes Gucci, Yves Saint Laurent e Alexander McQueen, entre outras. A companhia mostrou que leva a sustentabilidade a sério, utilizando mais de 40 por cento de produtos vindos de fontes sustentáveis certificadas e sempre em busca de maneiras de melhorar esse índice. Outro factor notável é que mais de 60 por cent do conselho de directores da Kering é formado por mulheres – a média de grandes corporações é menor do que 20 por cento.
O 3º lugar é ocupado pela Neste Corporation, empresa que, no ranking do ano passado, ficou com a 2ª colocação. Baseada na Finlândia, a Neste actua com refino de petróleo e marketing e tem anual de mais de 10 bilhões de dólares.
Este é o segundo ano em que o Global 100 usa “receita limpa” como indicador de desempenho – medindo a percentagem de receita que uma empresa gera por meio de produtos sustentáveis – e é o primeiro ano em que o critério teve tanto peso no ranking, representando 50 por cento da pontuação das empresas.

Eis a lista completa:
1. Chr. Hansen Holding A/S (Dinamarca);
2. Kering SA (França);
3. Neste Corporation (Finlândia);
4. Orsted (Dinamarca);
5. GlaxoSmithKline plc (Reino Unido);
6. Prologis, Inc. (EUA);
7. Umicore (Bélgica);
8. Banco do Brasil S.A. (Brasil)
9. Shinhan Financial Group Co. (Coreia do Sul);
10. Taiwan Semiconductor (Taiwan).