A gestão de projectos é um termo que pode ser muito vago. Para algumas pessoas, tudo se resume a agendar reuniões, fazer apresentações ou organizar pilhas de papéis sobre a mesa. Embora muitas facetas da gestão de projectos se encaixem nesses estereótipos, a função vai muito além.
Se é proprietário de uma pequena empresa e está interessado em contratar um gerente de projectos ou um estagiário que queira seguir carreira no ramo, é bom eliminar noções preconcebidas, tais como esses erros comuns:
1. Gerente, só em larga escala: Estes podem pensar que só um projecto de maior escala justificaria a contratação de um gerente. A verdade é que projectos de qualquer tamanho podem contar com um gerente para ter mais chances de sucesso;
2. Risco, só uma vez: Alguns defendem que a avaliação de risco seja feita apenas no começo do ciclo de desenvolvimento do projecto, e que as mesmas variáveis dessa etapa sigam como constantes até a conclusão. Basta uma enorme sessão de brainstorming para traçar um caminho completo até o final de um projecto, certo? Esta visão está errada;
3. Os projectos devem ter conclusão: Esse erro engana. Ao planear e gerir um projecto, a expectativa é de que ele será concluído e bem-sucedido. Por isso, nem é preciso dizer que as empresas devem se esforçar para completar 100 por cento dos projectos. Mais uma vez, porém, a realidade da gestão é outra. Falhar é normal e acontece cada vez mais e um projecto quase nunca termina como previsto no plano inicial.