A escassez de investigadores e de financiamento são alguns dos principais obstáculos à investigação científica em Angola informou esta semana, em Lisboa (Portugal), a ministra do Ensino Superior, Ciência, Tecnologia e Inovação, Maria do Rosário Sambo.
Maria do Rosário Sambo falava durante a abertura da Semana da Ciência Portugal/Angola, que decorreu de 18 a 20 deste mês nas cidades de Lisboa, Porto e Bragança.
A semana da Ciência consta da declaração de intenções no domínio do Ensino Superior, Ciência e Tecnologia e Inovação, assinada em Novembro de 2018 aquando da visita do Presidente da República, João Lourenço, Portugal, e visa materializar os acordos.
Esta iniciativa, a primeira do género entre os dois países, visa estabelecer a interacção e o diálogo entre investigadores angolanos e portugueses, para o reforço da rede de cooperação entre as instituições e os investigadores, com a realização de projectos conjuntos de investigação em áreas tão diversas como a oceanografia, biomedicina, acreditação no ensino superior, gestão de ciência e tecnologia, entre outras.
Angola reúne investigadores e representantes de instituições de ensino superior e de centros de investigação dos dois países.