Um grupo de 165 jovens terminou, a semana finda, a primeira fase do curso de formação profissional, nas áreas de informática, contabilidade, gestão de empresa, pastelaria e produção de sabão, nos centros de formação do Instituto Nacional de Emprego e Formação Profissional do Cunene (INEFOP). De acordo com a chefe dos Serviços do no Cunene, Maria Baltazar, os cursos profissionalizantes estão inseridos na política do Governo sobre a mão-de-obra de qualidade no mercado de trabalho.
A responsável que falava no encerramento do primeiro ciclo de formação profissional no Cunene, disse que os mesmos terminaram a formação iniciada em Março nos centros e pavilhões de artes e ofícios dos municípios do Cuanhama, Namacunde,Ombadja e Cuvelai.
“Esta formação não terminou aqui. É o início de um longo ciclo de aprendizagem”, disse, afirmando que os cursos profissionais pretendem ajudar as pessoas principalmente os jovens, a abrirem o seu próprio negócio através das incubadoras de empresas. “As micro-empresas serão as fontes de emprego para muitas pessoas”, salientou.
Maria Baltazar apelou aos recém-formados a dedicarem-se com afinco no que aprenderam, mostrando aptidões para que venham a contribuir na redução do desemprego no país, e em particular na província.
Segundo a responsável, os finalistas destes cursos estão tecnicamente preparados para servirem em qualquer instituição, tanto pública como privada, no sentido de ajudar no processo de desenvolvimento da circunscrição.
Disse também que a nível da província, existem centros de formação técnico-profissional, onde são dadas formações nas áreas de carpintaria, electricidade, mecânica, serralharia, construção civil, entre outras, tendo cursos de nível básico profissional de dois a nove meses, de curta duração, e a sua adesão “só depende da necessidade de cada um”.
Referiu que após a formação, em conexão com o centro de emprego, os formandos são canalizados para as empresas por si contactadas, mediante um plano de necessidade dos empregadores nas diferentes áreas.
Reconheceu que as artes e ofícios desempenham um papel preponderante no crescimento e desenvolvimento de qualquer nação. Maria Baltazar deu a conhecer que outros 500 Jovens continuam uma formação, com duração de nove meses, nas especialidades de agricultura, mecânica, canalização, carpintaria, pintura e estuque, alvenaria, serralharia e electricidade. O INEFOP na província do Cunene funciona desde 2001 e já formou oito mil, 305 jovens até ao momento.