As metas simbolizam a chave da produtividade, mais do que qualquer outro factor individual. Meta não significa apenas “o que deve ser feito”. Envolve também o aspecto temporal “quando fazer”. No estabelecimento de metas, a fixação de prazos é tão importante como a fixação do que deve ser feito.

Há um princípio que diz:
“Todas as coisas são criadas duas vezes”.
A primeira criação é mental ou inicial.
A segunda criação é física.
Na administração pública ou privada existem igualmente duas criações. Para se começar algum projecto, é preciso ter uma meta bem definida.
A definição clara de uma meta determina se o responsável será ou não bem sucedido.
Muitas vezes são outras pessoas que fazem a criação inicial. Fica a cargo do responsável pelo projecto somente a segunda criação, ou seja, a criação física.
A administração é uma visão dos métodos: Qual a melhor maneira de conseguir determinada coisa?
A liderança lida com metas: quais são as coisas que devem ser feitas?
A eficácia não depende apenas de quanto esforço se faz e sim se estamos a realizar o esforço no objectivo certo. É necessário primeiro a liderança e só depois a administração. Sempre que houver alterações no meio ambiente, a administração deve reestruturar o conjunto de metas, para adaptá-las às novas situações.
As pessoas sentem-se realizadas quando fixam os seus próprios objectivos e lutam para alcançá-los, sendo que na sua fixação, criam no consciente uma imagem detalhada do que pretendem alcançar. O inconsciente, baseado nessa imagem, pode mostrar para as pessoas alternativas que levem na direcção desejada.
O mecanismo criador do homem opera em termos de resultados. Para agir, é preciso que lhe seja dado um objectivo bem definido.