O ministro da Economia e Planeamento, Pedro Luís da Fonseca, revelou, ontem, na província da Huíla, que o tecido empresarial angolano está concetrado em Luanda. Pedro Luís da Fonseca apresentou naquela cidade, o anuário das estatísticas das empresas produzido pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) entre 2013 e 2016 confirma a existência em Angola de mais de 152 mil empresas.

O governante referiu que estes números, cerca de 46 mil, encontravam-se em actividade em 2016. O número é superior ao registado
no banco precedente
em que existiam aproximadamente 41,5 mil.
No ano em referência, Luanda concentrava 58 por cento das empresas, à frente de Benguela com oito por cento, Cuanza Sul com cinco, Huambo e Huíla com quatro respectivamente e Cabinda com três. As províncias de Luanda, Benguela e Cuanza Sul concentravam
71 por cento do total
de empresas em actividade
no país em 2016.
“A distribuição de empresas em actividade pelo território nacional mostra os notórios desequilíbrios regionais, sendo a Huíla uma das províncias menos
procuradas pelos
empresários para desenvolver as suas actividades económicas”, disse.
De acordo com dados, na distribuição de empresas nos diferentes ramos de actividades em 2016, de acordo com a Classificação
de Actividades Económicas (CAE), permanece em destaque o comércio
a grosso e a retalho, com 50 por cento. Já a prestação de serviços de reparação de veículos automóveis e motociclos ocupa nove, os sectores de alojamento e restauração, bem como similares. A construção civil e indústria transformadora aparecem com seis cada, actividades administrativas e serviços de apoio com apenas quatro por cento.