O marketing digital, contribui em grande medida para a projecção das empresas on-line e é entendido como a acção de gerir os mercados, as marcas e os consumidores, fazendo emergir trocas e realizações com intuito de criar valor e satisfazer necessidades e desejos nas plataformas digitais existentes. Por outro, pode ser entendido como um processo através do qual, os indivíduos e os grupos, obtêm o que necessitam, criando mecanismos de troca de produtos e valor comuns nestas redes.

Campos da actuação
Vários especialistas indicam, que o marketing, pode ser aplicado em três áreas principais. Na área de bens e serviços de consumo, nas organizações, bem como a área social. A primeira, que contempla os bens e serviços de consumo, focaliza a sua actuação na geração das trocas comerciais, entre uma organização e o indíviduo, bem como famílias inteiras. o segundo campo que contempla o marketing, das organizações , os intevenientes do processo são basicamente as empresas. Já o terceiro diz respeito às organizações sem fins lucrativos.
Para eles, o marketing vai ser a chave para que a empresa possa atingir os seus objectivos de forma mais acelerada, pois consiste em determinar as necessidades do mercado alvo e fornecer produtos que satisfaçam de forma mais efectiva e eficiente a concorrência. Para isso, a empresa precisa vender o que o mercado precisa, amar o cliente e desenvolver formas a os fidelizar.

Fases do marketing
O marketing abarca várias áreas, desde o individual que teve início no século, o marketing orientado para o produto, consumidor, da diferenciação, relacional, das tecnologias de informação, bem como do web marketing.
De acordo com várias teorias, os empresários e artesãos, aplicavam o conceito sem conhecer tal como existe hoje. As primeiras iniciativas procuravam adaptar os preços e produtos a cada pessoa e a comunicação era pessoal e de maneira intuitiva que só era possível em mercados de reduzida dimensão.
O marketing orientado para produto surge com o advento dos meios de transporte, nomeadamente o caminho-de-ferro, barcos e automóveis, dando lugar ao aparecimento do mercado. Já o marketing voltado para o consumidor, terá lugar no período que vai entre 1940 e se estende até 1960, marcado com o aumento de produtos resultante da revolução industrial, obrigando as empresas a escoar os produtos para um maior número de consumidores. Ao passo que o de diferenciação, a sua preocupação vai incidir sobretudo na fidelização do consumidor, o que fez com que o marketing digital ganhasse espaço na década de 90, com desenvolvimento das novas tecnologias, em particular da web, que o fez utilizar todos os conceitos apresentados atrás, mas numa dimensão global.
Actualmente este tipo de marketing, abarca sobretudo, meios como a internet, telefone e outros meios de comunicação digital, com objectivo de aumentar a rede de clientes, conquistar novos mercados, divulgar e comercializar produtos e serviços.
Ele centra-se na prática de promoção de produtos e serviços através da utilização de canais de distribuição electrónicos, para chegar ao consumidor de forma mais rápida e personalisada e com mais eficiência.
Segundo Cruz Gabriel o termo “marketing digital” não existe. O que existe é marketing aplicado aos meios digitais. Entre os exemplos de sucesso para explicar o alcance desta ferramenta de gestão está a rede social Facebook, que conquistou milhares de internautas, num curto espaço de tempo. A chave foi a simplicidade e rapidez na execução e a liberdade de utilização, levando os seus usuários a ter contacto com as coisas em tempos reais.