Um dos aspectos mais importantes da dinâmica da organização é a rotatividade de pessoal ou turnover. Geralmente, a rotação de pessoal é expressa por meio de uma relação percentual entre as admissões e as demissões com relação ao número médio de participantes, no decorrer de certo período de tempo. Quase sempre, a rotatividade é expressa em índices mensais ou anuais para permitir comparações, seja para desenvolver diagnósticos, seja para promover providências, seja ainda como carácter preditivo.

A organização, como todo sistema aberto, caracteriza-se pelo incessante fluxo de recursos de que necessita para poder desenvolver as suas operações e gerar resultados.
A organização, de um lado, importa recursos e energia do ambiente externo, na forma de matéria-prima, equipamentos, maquinas, tecnologia, dinheiro, financiamentos, pedidos de clientes, informações, pessoas, água, energia eléctrica etc.
Todos esses recursos e formas de energia são processados e transformados dentro da organização. Por outro lado, a organização exporta para o ambiente externo os resultados das suas operações e dos seus processos de transformação, na forma de produtos acabados ou serviços, materiais usados, lixo, equipamentos obsoletos, resultados operacionais, lucro, entregas a clientes, informações,
pessoas, poluição etc.
Entre insumos que a organização”importa” do ambiente externo e os resultados que “ exporta” para esse ambiente deve existir um certo equilíbrio dinâmico capaz de manter as operações do processo de transformação, em níveis satisfatórios e controlados. Se os insumos forem mais volumosos do que as saídas, a organização tem o seu processo de transformação congestionado ou os seus stoks de resultados armazenados e paralisados. Se, ao contrário, os insumos forem menores do que as saídas, a organização não tem recursos para operar as transformações e continuar a produzir resultados.
Assim, tanto a entrada como a saída de recursos devem manter entre si mecanismos capazes de se autorregularem, mediante comparações e de garantirem um equilíbrio dinâmico e constante.
Em toda a organização saudável, ocorre normalmente um pequeno volume de entradas e saídas de recursos humanos, ocasionando uma rotatividade de simples manutenção do sistema.
A rotatividade de pessoal pode estar orientada de forma a inflacionar o sistema com novos recursos ( entradas maiores que as saídas), para incentivar as operações e ampliar os resultados ou, no sentido de esvaziar o sistema ( saídas maiores do que as entradas) para diminuir as operações, reduzindo os resultados.
Contudo, algumas vezes, a rotatividade escapa ao controlo da organização, quando os desligamentos efectuados por iniciativa dos empregados aumentam substancialmente de volume. Num mercado de trabalho competitivo em regime de oferta intensa, ocorre, geralmente um aumento da rotação de pessoas.
Se a rotatividade é provocada pela organização para fazer substituição no sentido de melhorar o potencial humano existente, ou seja, intercambiar parte dos seus recursos humanos por outros de melhor qualidade encontrados no mercado, então a rotação encontra-se sob controlo da organização.