O secretário de Estado para as Tecnologias de Informação, Manuel Homem, exortou esta semana, em Luanda, as empresas a fazerem actualizações das suas infra-estruturas cibernéticas, tendo em conta as mutações tecnológicas mundiais.
O dirigente fez esta declaração quando discursava na abertura da 2ª edição do ciclo de workshop sobre o protocolo de internet (IP) e segurança.
Assegurou que o desenvolvimento dos serviços da sociedade de informação traz uma mudança na oferta destes serviços nas sociedades, e há necessidade de as empresas interligarem-se cada vez mais para a melhoria da qualidade do serviço.
Neste contexto, cada vez mais estes recursos tecnológicos tornaram-se escassos, daí a necessidade de se fazer actualizações nas infra-estruturas por forma a se assegurar a utilização da internet com qualidade e com preços acessíveis.
“A actualização do IPV4 para a versão do protocolo de internet (IPV6), que permite um número ilimitado de usuários e dispositivos ligados à rede, associado aos investimentos do governo, como é o caso da fibra óptica terrestre e submarina e a entrada do Angosat1 em órbita, vai aumentar a oferta e a qualidade do serviço no país”, disse.
Segundo o secretário de estado, a Associação Angolana de Provedores de Internet (AAPSI) e a Afrinic, instituição africana responsável pela atribuição dos endereços IP, chamam atenção à actualização na versão IPV6, devido também à “internet das coisas” que já é uma realidade.
Em relação aos últimos acontecimentos no país, envolvendo as TIC, Manuel Homem pediu mais colaboração para interligação dos pontos de convergência de tráfego nacional e internacional para adquirir mais capacidade e segurança.
Quanto aos crimes com recurso à cibernética, disse que se está a trabalhar na legislação, e estas actividades terão penalização à altura para salvaguarda da boa utilização da internet como recurso comum.
O encontro, sob iniciativa da AAPSI, em parceria com a entidade responsável pela atribuição de endereços de IP em África (AFRINIC), tem como objectivo a manutenção do crescimento da utilização da internet em Angola.
A AAPSI é uma organização sem fins lucrativos, criada em 2010, com vista a contribuição no desenvolvimento do “ecossistema” da internet em Angola, através da participação na definição de estratégias nacionais para evolução das plataformas de telecomunicações e criação de legislação que promove
a cultura da internet.