A pontualidade e a assiduidade devem ser entendidas como obrigações laborais do funcionário decorrente do contrato de trabalho mantido com o empregador. Estas são também condições preliminares para o desempenho de quaisquer relações de emprego. As organizações em geral, dão grande ênfase à pontualidade e à assiduidade como dimensões fundamentais do comportamento do ser humano no trabalho. Não há sistemas de avaliação de desempenho que não as considere como factor de avaliação determinante do exercício laboral.

Não ser pontual é uma falha comum do ser humano, mas uma coisa é chegar atrasado a um compromisso social, outra é estar atrasado para dar início à sua jornada de trabalho.E assim, uma questão constante eminentemente das cláusulas do contrato de trabalho e das regras de disciplina transforma-se num factor relevante de avaliação de desempenho, como  uma questão crítica que precisa ser enfrentada na implantação de um programa de avaliação de desempenho. Os maus hábitos laborais são contagiosos. Se o gerente permite que um ou dois subordinados não sejam assíduos ou pontuais, logo o mau hábito vai disseminar-se, fazendo escola entre os demais. Ele não pode ser conivente com o problema, a sua prontidão para enfrentar educacionalmente os faltosos depende do estabelecimento e da manutenção de um clima de trabalho de respeito aos compromissos e às obrigações.

Papel do gestor
Neste particular, o gestor tem a responsabilidade de assegurar-se que os subordinados cheguem ao trabalho no horário estabelecido.
Isso pode ser feito de maneira mais eficaz com a ajuda das seguintes providências. Este pode optar por chegar no local de trabalho mais cedo que os seus subordinados, isso não só educará os trabalhadores, como não deixará dúvidas de que está atento aos faltosos. O respeito ao tempo é uma questão de cultura. É preciso estabelecê-lo desde o início e mantê-lo permanentemente. É um hábito que se reafirma no cotidiano. Os atrasos nas solenidades, sessões de cinema e teatro, palestras, congressos e seminários são resultado de uma cultura de atraso que se estabelece ao início na abertura dos eventos e se prolonga até o encerramento.
Fixa-se uma cultura de desrespeito aos horários. O mesmo acontece no quotidiano das relações de trabalho. Por mais óbvias que sejam as normas, mostre-as de maneira inequívoca, sempre tendo em conta que pontualidade e assiduidade são questões básicas, as faltas devem ser vistas como infrações graves e um descumprimento ao contrato de trabalho estabelecido entre as partes.