O presidente dos Conselhos de Estado e de Ministros da República de Cuba, Raul Castro Ruz, destacou quinta-feira em Luanda, os laços históricos e de fraternidade entre o seu país e Angola, forjados na luta comum contra a colonialismo e o apartheid.

O líder cubano, em vista oficial de três dias à Angola, iniciada quarta-feira, a convite do seu homólogo, José Eduardo dos Santos, fez este pronunciamento no jantar oferecido pelo anfitrião, no Palácio presidencial, à Cidade Alta.

Ao fazer o balanço da jornada desta quinta, Raul Castro frisou ter sido um dia de muito trabalho, marcado pelos encontros que manteve com o Presidente da República, José Eduardo dos Santos, e com outros dirigentes angolanos.

Disse ainda ter reencontrado antigos companheiros que, juntamente com os cubanos, lutaram lado a lado nas trincheiras para que Angola fosse hoje um país livre e independente.

A jornada de Raul Castro inscreveu igualmente uma homenagem ao primeiro presidente de Angola, Agostinho Neto, e os combatentes cubanos tombados neste país.

“Também constatamos como avança satisfatoriamente a nossa cooperação bilateral nos mais diversos domínios. Por estas razões, brindo pela saúde do companheiro Dos Santos e de todos os presentes, pela prosperidade do povo angolano e para que as nossas relações perdurem e se fortaleçam cada vez mais”, concluiu.

Antes do jantar oficial, Eduardo dos Santos e Raul Castro testemunharam a assinatura de dois acordos de cooperação nos domínios da Geologia e Mineração e Indústria, bem como igual número de memorandos de entendimento na área da Educação e sobre o estado e perspectivas de cooperação.

Os instrumentos jurídicos foram rubricados pelo ministro angolano das Relações Exteriores, Assunção dos Anjos, e pelo vice-presidente do Conselho de Ministros de Cuba, Ricardo Cabrisas Ruiz.