O Sense-making é considerado uma das quatro habilidades-chave que um líder de sucesso precisa apresentar, juntamente com a capacidade de se relacionar, de ser visionário e de inovar. Este conceito, aparentemente novo, está composto por quatro elementos fundamentais para que qualquer gestor deva reter:

Relacionamento
Qualquer grande gestor para ter sucesso na sua árdua missão deve ter a capacidade de comunicar e interagir com os funcionários, sempre tendo como base a confiança.

Visão
A visão é um elemento chave para que todo o líder seja capaz de enxergar além de possibilidades actuais e ser inovador, para buscar maneiras de alcançar os diferenciais avistados, tomando acções rápidas para tirar vantagem das oportunidades; e por último o próprio Sense-making, que consiste em dominar assuntos complexos do mundo e fazer com que a sua equipa os entenda de forma simples, visando alcançar o melhor resultado possível.

Exploração do Ambiente
O gestor para ser bem sucedido na utilização desta técnica deve buscar os mais diversos tipos de informação possível. Desde dados mais exactos, como histórico financeiro da empresa, até dados mais subjectivos, através de conversas com funcionários, e precisa envolver  mais pessoas para auxiliar a criação de um sentido para uma situação.
Este, deve ir além do pensamento genérico, podendo para isso, tentar entender todas as variações de cada uma das situações específicas, que são de interesse para o  seu negócio e aprender com aqueles que estão mais próximos da linha da frente, isto é, saiba o que os consumidores querem comprar e quais são as novas tecnologias, sem esquecer que é preciso ser capaz de observar as actuais tendências do mercado. O princípio do Sense-making é fazer-se entender, criar um sentido, dar significado às coisas para que se possa compreender com maior facilidade uma situação ou um conceito.

Empowerment na liderança
corporativa nos dias de hoje

O empowerment é um conceito que está ligado ao exercício da liderança, por parte dos funcionários, dentro das empresas. Ele simboliza a estratégia da organização e dos seus gestores de delegar a tomada de decisão para os seus colaboradores, promovendo a flexibilidade, rapidez e melhoria no processo de tomada de decisão da empresa.
O empowerment possui quatro bases principais, que são:

1. Poder – dar poder às pessoas, delegando autoridade e responsabilidade em todos os níveis da organização;
2. Motivação – proporcionar motivação às pessoas para incentivá-las continuamente;
3. Desenvolvimento – dar recursos às pessoas em termos de capacitação e desenvolvimento pessoal e profissional;
4. Liderança – proporcionar liderança na organização. Isso significa orientar as pessoas, definir objectivos e metas, abrir novos horizontes, avaliar o desempenho e proporcionar retroação de pessoal dentro da organização para motivação interna.