O valor inicial do projecto está avaliado em cinco milhões de dólares americanos e visa facilitar o incremento da produção alimentar em diversas regiões do país.


Várias bases logísticas, que vão armazenar produtos químicos para a agricultura, serão construídas a partir do próximo ano em Viana (Luanda), Catumbela (Benguela) e Dundo (Lunda-Norte), segundo anunciou o director-geral da empresa Sirius, Dinis Dravet.

Com um investimento inicial de cerca de cinco milhões de dólares norte-americanos, o projecto responde às preocupações da empresa uma vez que, para a conservação de mercadorias, utilizam infra-estruturas arrendadas.

O responsável disse que um dos objectivos da empresa é contribuir no fornecimento directo dos produtos aos pequenos agricultores e às indústrias agro-industriais, para o incremento da produção agrícola, com vista ao desenvolvimento rural e ao combate à pobreza.

A empresa sedeada em Luanda conta igualmente com filiais de armazéns de venda a grosso na Catumbela (Benguela) e no Lubango (Huíla), sendo que o escoamento dos produtos para as restantes regiões é feito através de uma rede privada com cerca de 50 distribuidores resultante de um protocolo comercial entre ambos.

Mercado

Oitenta por cento dos clientes da Sirius são agricultores familiares e cooperativas agrícolas. A nível de Luanda, a maior parte das mercadorias adquiridas na empresa é escoada para o mercado do Kikolo, dada a proximidade que existe com o local de produção (Cacuaco e Funda).

Dados apontam que a firma fornece matérias-primas às várias empresas locais e internacionais agro-alimentares e outras do ramo cervejeiro, petrolífero, de produção de água mineral, de lacticínios, refrigerantes, fábricas de detergentes, de tintas e lavandarias, dentre outras

“A nossa participação em distintas feiras realizadas, tanto na FILDA, como no Cunene, Huambo e Lubango têm contribuído na divulgação do nosso negócio e no aumento da nossa carteira de clientes”, reconheceu.

Origem dos bens

Segundo Dinis Dravet, a gama dos produtos disponibilizados pela empresa são provenientes da Europa em países como a Rússia, a Ucrânia e a França.

“Produzimos um guia prático com instruções de como utilizar os fertilizantes, pesticidas, sementes agrícolas, material agrícola e produtos veterinários”, afirmou.

Entretanto, a empresa conta com uma linha de financiamento do Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA), cujo valor não foi revelado, mas que tem permitido aumentar o volume de vendas. Além disso, mantém acordos com a banca, sobretudo com o Banco de Poupança e Crédito (BPC), Banco Africano de Investimentos (BAI), Banco Sol, Banco Internacional de Crédito (BIC) e o Banco de Fomento Angola (BFA). A nível institucional, a empresa conta com a parceria do Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e das Pescas, sobretudo no apoio às palestras e formação aos agentes ligados ao sector agro-alimentar para melhor utilização e proveito dos materiais agrícolas.

A Sirius, empresa de direito angolano, é a distribuidora exclusiva dos produtos da Sopura, empresa belga, mundialmente conhecida, comercializa materiais de limpeza e para a desinfecção industrial das empresas agro-alimentares.

A Sirius é uma empresa do ramo de importação de produtos agrícolas e fornecimento de produtos químicos (matéria prima) para as agro-indústrias. Com 55 trabalhadores, divididos em técnicos administrativos agrícolas e engenheiros químicos, a firma actua desde 2005 no mercado nacional.

Leia mais sobre outras notícias da actualidade na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já em circulação