Um dos principais desafios para a implementação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) em Angola, pretende-se com as questões informáticas, uma vez que o processo exige que as empresas utilizem softwares que permite a emissão de facturas, assim como o envio de ficheiros de aquisição de bens e serviços para o sistema da Admnistração Geral Tributária (AGT).
A informação foi avançada esta semana em Luanda, pelo coordenador do IVA, Adilson Sequeira, acrescentando que, outro desafio é a organização contabilística a fim de facilitar todos os trâmites fiscais.
“Os softwares a serem utilizados pelos operadores económicos para implementação do Imposto de sobre o Valor Acrescentado serão validados pela AGT”, esclareceu o responsável.
Em declarações à imprensa à margem do “workshop de esclarecimento sobre o IVA”, realizado pela Primavera, realçou que o procedimento deve acontecer antes de Julho de 2019.

Gestão do imposto
A Primavera, empresa responsável pela gestão do software para a implementação do IVA garante ter tudo pronto para a sua efectivação no próximo ano.
Segundo o CEO da empresa, Jorge Baptista, Angola é o unico país da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) que ainda não implementou este imposto.
Referiu que a empresa tem tudo preparado já algum tempo para a entrada em vigor do IVA. “É uma experiência que já conhecemos e aplicamos em países como Portugal, Espanha, Moçambique, Cabo Verde entre outros”.
O IVA é um imposto indirecto aplicável nas diversas fases da cadeia de consumo, que se aplica às importações, transmissão de bens e prestação de serviços.
O imposto é obrigatório às grandes empresas cadastradas na Repartição Fiscal dos Grandes Contribuintes enquadradas no regime geral do IVA, cujo volume de negócios seja superior a 250 mil dólares.
Xavier António