O Executivo vai promover a realização de parcerias estratégicas com agentes privados no sector marítimo, portuário e ferroviário.
Segundo o ministro dos Transportes, Augusto da Silva Tomás, que discursava na abertura do workshop sobre o plano director nacional do sector dos transportes e estudos de viabilidade preliminar da ligação ferroviária entre o Caminho-de-Ferro de Benguela (CFB) e a Zâmbia, será necessário concluir os projectos estruturantes de interesse nacional no sector dos transportes.
Considerou importante desenvolver uma estratégia específica para o transporte marítimo de cabotagem e fluvial de passageiros e carga a nível do país, assente num plano de negócios e numa perspectiva de redução das assimetrias regionais, melhoria da mobilidade e do aumento do rendimento das populações rurais ribeirinhas, envolvendo na sua implementação entidades privadas com tecnologia, recursos e capacidade.
De acordo com o governante, o ministério deverá lançar o concurso público para a construção do sistema ferroviário “Monocarril” em Luanda, obedecendo ao princípio das parcerias público–privadas (PPP), bem como o lançamento do programa de transporte escolar grátis para alunos e professores até ao primeiro ciclo conforme a Lei de Base do sistema de educação e ensino.
Citou a construção do novo Aeroporto Internacional de Luanda (NAIL) e dos aeroportos do Cuito – Bié (Joaquim Kapango) e de Cabinda (Maria Mambo Café), o lançamento do concurso público para a construção do aeroporto de Mbanza Kongo, a conclusão da reabilitação e modernização do caminho-de-ferro de Benguela e a execução do projecto da ligação desta linha ferroviária com a república da Zâmbia, a partir da província do Moxico.
Em relação ao Aeroporto Internacional de Luanda, o ministro, entende ser necessário actualizar e operacionalizar o plano de negócios e de marketing, visando a sua utilização como um “hub” entre a América Latina e a Ásia e da distribuição de tráfego da Europa para os países vizinhos, particularmente da África Austral.

Rede prioritária
O ministério quer igualmente preparar o projecto executivo da rede prioritária sobre a interligação da linha do Caminho-de-Ferro de Benguela, da linha do Caminho-de-Ferro de Moçâmedes entre si e com os países vizinhos, com objectivo de criar uma rede integrada ferroviária que potencie a mobilidade de pessoas e bens a nível nacional e com os países vizinhos, com maior segurança e a custos mais baixos.
O sector vai impulsionar a integração das diferentes companhias aéreas privadas nacionais, interessadas numa empresa única, liderada pela Taag, com a participação da Enana e de outros entes privados com capital financeiro para o efeito, para um transporte aéreo doméstico rentável, sustentável e que sirva os interesses da população.

Investimento
Por outro lado, cerca de quatro milhões de dólares norte-americanos é o valor financiado pelo Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), destinado ao plano director nacional do sector dos Transportes, revelou na passada segunda-feira, em Luanda, o representante residente do banco em Angola, Joseph Martial Ribeiro.
O plano director nacional do sector dos transportes e estudos de viabilidade preliminar da ligação ferroviária entre o CFB e a Zâmbia constituem documentos em elaboração, para servir de linhas mestras para projectos que poderão ascender a 500 milhões de dólares, nos próximos 20 anos.
“O plano é um instrumento de governação para os próximos 20 anos, depois do estudo vamos ter cinco projectos prioritários, que vão ser definidos e daí vamos estudar com o Governo e com os outros parceiros quais as possibilidades de financiamento”, referiu.
De acordo com o responsável, que falava no workshop de apresentação do referido plano, o Bad está a avaliar todos os projectos do sector, a começar pelo rodoviário, ferroviário, cabotagem, fluvial e aéreo, para permitir que o país tenha todos os meios necessários para diversificação da economia, através da movimentação de pessoas e bens.