O programa de reabilitação de infra-estruturas rodoviárias (PRIR) em curso desde 2002 permitiu até 2013 atingir a cifra de 11.127 quilómetros (km) de estradas em todo o território nacional.
Segundo o secretário de Estado da Construção, Ilídio de Jesus Brás Martins, que falava recentemente, em Luanda, desde o seu início, o Prir visou o restabelecimento da malha viária do país, do ponto de vista da recuperação dos pavimentos existentes, interligando as sedes provinciais com a capital, assim como reabilitar a maior extensão possível de estradas, com os recursos disponíveis, sem comprometer a qualidade dos serviços executados.

O governante sublinhou que o projecto tem também como premissa adoptar soluções construtivas que permitam uma evolução gradual da estrutura do pavimento, em função do tráfego futuro, além de contratar as obras com base em projectos executivos, quando existentes, ou elaborar notas técnicas com as soluções construtivas definidas. Está programado o início da execução ainda este ano, da segunda circular Ramiro/Viana/Calumbo/Novo aeroporto; bem como a via-expressa Catete/Caxito/Soyo. Até 2017, prevê-se a construção de 19.000 km de estrada em todo o território nacional.

Balanço
Desde 2008, o projecto aumentou a mobilização e engajamento das empresas, consequentemente a existência de um expressivo parque de máquinas e centrais produtivas e industriais, tendo gerado mais de 40.000 empregos directos e indirectos. O Instituto Nacional de Estradas de Angola (INEA) melhorou as ferramentas de gestão rodoviária, no controlo da qualidade dos serviços e materiais utilizados nas obras, bem como os custos, através da implementação de um sistema de controlo, normalização e estabelecimento de preços unitários.

Rede terciária
A rede de estradas terciárias que complementa a “capilaridade” da malha viária do país é constituída por cerca de 67,5 por cento da rede geral, com cerca de 75.000 km de extensão. Tem como função quase que exclusiva, a extensão dos benefícios da administração (educação escolar, assistência médica, social e agrícola) aos mais recônditos lugares do país, sendo um agente de promoção e integração sócio-económica das populações rurais, em zonas não servidas pelas redes principais ou secundárias.

A sua recuperação, atrás referida, visa em última instância, o apoio ao programa de combate a pobreza e a melhoria gradual de vida das populações. Segundo o governante, a concepção do programa estabelece a participação das brigadas de construção de estradas do Inea, de brigadas de engenharia militar (com inclusão de militares no activo e desmobilizados), Empresa Nacional de Pontes, bem como de empresas locais de construção de estradas contratadas especificamente para o efeito, fomentando assim, o emprego entre a população rural.

Para o secretário de Estado da Construção, o programa de recuperação das vias secundárias tem como objectivo o restabelecimento das principais vias de ligação, das diversas sedes capitais, municipais, aglomerados populacionais importantes e principais centros produtivos agro-industriais.

No quadro da implantação dos postos de pesagem, dados do Ministério da Construção indicam que foram adquiridas 36 balanças fixas e cinco móveis, bem como a implantação do posto da Barra do Kwanza, em carácter de emergência, face as debilidades estruturais apresentadas pela ponte.

Manutenção de estradas
O programa de conservação e manutenção de estradas foi efectivado com a consignação de 64 lotes, numa extensão de 4.288 km, até o ano de 2013, totalizando 38 por cento da malha rodoviária reabilitada no Prir. Segundo o ministro, em 2014, pretende-se inserir ao programa em curso, mais 4.000 km de estrada, totalizando 8.288 km em conservação, que representa 75 por cento das estradas já reabilitadas.

“O sector de infra-estruturas públicas joga um papel preponderante na prossecução dos objectivos globais definidos no Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017, na medida que contém subsectores cuja dimensão e desempenho condicionam o desenvolvimento harmonioso do pais”, sublinhou na ocasião, o secretário de Estado da Construção .