A província do Cunene conta com mais de um milhão de habitantes, sendo que deste número apenas 11,7 por cento beneficiam do fornecimento de electricidade da rede pública.

Segundo um documento do Gabinete provincial de Infra-estruturas e Serviços Técnicos a que o JE teve acesso, a estratégia do governo do Cunene é expandir a distribuição de energia eléctrica em toda a província.
A fonte sustenta que os serviços disponibilizados pela Empresa Pública de Produção de Electricidade (PRODEL), Rede Nacional de Transporte (RNT) e a Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) estão a quem da satisfação das necessidades da província, já que dos seis municípios, apenas operam em quatro sedes municipais, nomeadamente Cuanhama, Namacunde, Ombadja e Curoca.
“Com os projectos em curso em termos de infra-estruturas nos vários domínios, torna-se imperioso que os investimentos no ramo da energia sigam o ritmo de crescimento das cidades e vilas”, sublinha a fonte.

Actuação
Dos seis municípios que a província possui, no subsector eléctrico a Prodel controla uma única central térmica na cidade de Ondjiva, com uma capacidade instalada de 10,2 Megawatt (MW), sendo que actualmente dispõe de um grupo gerador com 3,4 MW operacional, e dois grupos inoperantes.
Já a Rnt controla uma linha de transporte de energia de 132 Kilovolts (KV), desde a República da Namíbia, a subestação do Efundja, num percurso de 60 quilómetros até a subestação de Ondjiva, recebendo oito MW.
A Ende controla os centros de distribuição de Ondjiva, Namacunde e Xangongo, gerindo a potência disponibilizada pela Prodel de 10,2 MW, da Rnt (8 MW da Namíbia) e 4.8 MW da central de Xangongo, perfazendo 23 MW no total de potência disponível.
“Está em curso a montagem de uma central híbrida (solar + térmica) de 5 MW no Xangongo, que aumentará a potência para 28 MW.


Projectos
O sector perspectiva aumentar a potência na central térmica de Ondjiva, com a instalação e montagem de uma turbina de 25 MW, a instalação e montagem de uma central híbrida de cinco MW na sede municipal do Cuvelai bem como a montagem de uma central híbrida de 2, 5 MW na sede municipal do Curoca.
Está igualmente programada a instalação e montagem de uma central híbrida de 5 MW na sede municipal da Cahama, uma outra de 35 MW na sede municipal de Cuanhama, como alternativa em caso de indisponibilidade no sistema.
Prevê-se também a construção de pequenas redes em média e baixa tensão, para aquelas sedes municipais em que não existam, além de ampliar aquelas onde existam, tendo em conta a disponibilidade de potência instalada e disponível.
Está também em forja a ampliação das redes de média e baixa tensão, dos bairros a serem requalificados na cidade de Ondjiva e a aquisição de duas “gruas” com cestos para manutenção da iluminação pública.
A falta de recursos humanos e financeiros para a concretização dos projectos planificados para o subsector consta entre os principais constrangimentos do subsector, associada “à falta de meios técnicos e materiais para a execução de obras aos vários níveis”.

Município da cahama aumenta
níveis de abastecimento de água

O Gabinete provincial de Infra-estruturas e Serviços Técnicos do Cunene indica que este ano foi concluído o projecto de abastecimento de água no município da Cahama, com 250 ligações e contadores.
A fonte indica que foi ainda concluída a barragem hídrica do Calueque, bem como reabilitados cinco pontos de água com o apoio da DW, a reabilitação de 20 captações de água subterrânea com ajuda do Unicef.
Dos 742 pontos de água na província, apenas 422 estão operacionais e 320 inoperantes, e dos cerca de 19 pequenos sistemas de abastecimento de água, quatro estão fora de serviço. O Cunene tem 112 fontenários ou chafarizes existentes.
A nível de acesso de água nas sedes comunais destaca-se a do Xangongo que conta com um sistema com 1.300 ligações e 39 chafarizes e Humbe tem 72 ligações e dois chafarizes.
O modelo de gestão comunitária na província do Cunene está a ser implementado em algumas localidades tais como nas sedes dos municípios da Cahama, Cuanhama, Cuvelai, Namacunde, Ombadja e Curoca.
A base de dados da qualidade de água encontra-se paralisada por falta de recursos financeiros para aquisição de reagentes laboratoriais e deslocações dos técnicos.

Perspectivas
Ainda para este ano prevê-se a abertura de 60 furos na província, 45 chimpacas, a reabilitação de 30 furos assim como a construção da II fase da rede de distribuição de água no bairro Caxila III.
Está também prevista a construção da II fase da rede de distribuição de água no bairro Nahumba I.
A falta de recursos para enquadramento de técnicos para a fiscalização a nível da província constitui um dos principais problemas a nível do Cunene, bem como recursos financeiros para trabalhos de mobilização social e a falta de recursos para acompanhar a execução dos trabalhos a nível de toda a província. AV