Cerca de 14 projectos de produção de sal, aprovados em 2019, com uma capacidade total de produção de 360 mil toneladas por ano, aguardam pelo financiamento.
Segundo o director nacional de Produção e Iodização do sal, Osvaldo Costa, a actual produção de sal no país está acima das 100 mil toneladas/ano e o arranque destes projectos poderia aumentar a capacidade do país para mais de 460 mil toneladas/ano.
Citado pela Angop, Osvaldo Costa, que falava à margem do workshop sobre “Cadeia de Valor das Pescas”, afirmou que, os projectos que aguardam por financiamento, estão avaliados entre seis e 12 milhões dólares, por cada iniciativa.
Apontou como dificuldades do sector o acesso à energia eléctrica, água e vias de comunicação (estradas), assim como a falta de financiamento.
“Temos muitas unidades de produção de sal com uma capacidade elevada de produção, mas estão com uma baixa, devido à falta de investimento, caso haja mais financiamento haverá uma produção suficiente para o consumo interno e exportação”, sublinhou.
Devido à falta de fábricas de produção de iodo, Angola importa anualmente da Índia 120 barris de iodo com um custo avaliado entre 140 e 150 mil dólares norte-americanos, um valor que oscila em função do mercado.
Explicou que a utilização do iodo nos alimentos é importante para o crescimento e desenvolvimento intelectual, principalmente das crianças.
Por outro lado, Osvaldo Costa informou que está a ser aberto um sistema de bombagem para a abertura de uma das maiores salinas do país, localizada na província de Benguela, com uma capacidade de produção prevista de 100 mil toneladas de sal.