Mais de 20 mil habitantes das comunas do Jau, Quihita e Capunda Cavilongo, município da Chibia, província da Huíla, afectadas pela seca, já beneficiam desde o princípio do mês de Novembro de água potável, proveniente de 12 furos, construídos no âmbito do programa de emergência para conter os efeitos deste fenómeno.
O administrador municipal da Chibia, Sérgio da Cunha Velho, disse que mais de 128 mil pessoas estão afectadas pelo fenómeno no município.
referiu que no quadro do programa de emergência de contenção dos efeitos da seca, o município da Chibia beneficiou de 12 furos de água, instalados, na comuna da Quihita 4, Capunda Cavilongo 3, igual número na comuna do Jau e a comuna sede 2, para abastecer 20 mil pessoas.
Referiu que a Chibia enquadra-se nos municípios onde a seca se faz sentir, com destaque para a comuna do Jau, que faz fronteira com a povoação de Cainde, município do Virei, província do Namibe e a comuna da Quihita, delimitada com o município dos Gambos.
“Apesar da acção feita, naturalmente não é agua que chega para toda a gente, mas está a minimizar tais efeitos, não só para a população, mas também para o gado, que constitui a principal riqueza dos povos desta região”, disse.
Sérgio da Cunha Velho reconheceu que actualmente, a população que vive em algumas zonas afectadas pela seca nas comunas da Chibia, já não anda muito.
“Havia populares que percorriam entre 20 e 30 quilómetros para ter água. Hoje o cenário mudou, porque foram construídos furos situados em alguns casos perto das zonas habitacionais. Em alguns casos, a população percorre apenas um a dois quilómetros para ter acesso à água”, informou.

Construção de infra-estruturas
O administrador municipal da Chibia disse que o gado bovino é a principal riqueza dos povos locais. Daí, acrescentou, foram construídos, com fundos disponibilizados pela Presidência da República, no âmbito da seca, bebedouros para o gado.
Sérgio da Cunha Velho reconheceu que os recursos financeiros não são por aí além e a administração municipal da Chibia fez um aproveitamento adequado e destinou os valores nos projectos de água que já beneficiam a população e o gado.
Exemplificou que na localidade de Tchitongo-Tongo e Mitchia, na comuna da Quihita, abriram-se furos com débito de 12 metros cúbicos de água por hora.
“Apelamos à população a não desperdiçar a água que pode servir, igualmente, o gado e à agricultura”, defendeu .