Um total de 200 mil dólares norte-americanos foi empregue, de Janeiro a Junho deste ano, em projectos sociais diversos, na província do Huambo, pela organização não-governamental Acção para o Desenvolvimento Rural e Ambiente (ADRA).
Em declarações à Angop, a directora local da organização, Maria de La-Salete Teixeira Morgado, informou que no período em balanço foram executados quatro projectos que visavam melhorar a situação sócio-económica da população rural residente nos municípios da Caála, Longonjo e Bailundo.
Estes projectos, explicou, consistiram em acções de desenvolvimento local sustentável, cidadania, educação formal e advocacia, que, à luz das suas componentes, foram desenvolvidas no domínio da segurança alimentar, cedência de créditos aos camponeses, emponderamento das mulheres e na área do ambiente e alfabetização.
A directora da Adra na província do Huambo disse, ainda, terem sido realizadas, de Janeiro a Junho deste ano, acções de acompanhamento naquelas localidades da execução de projectos públicos constantes no programa municipal integrado de desenvolvimento rural e combate à pobreza.

Beneficiários

Informou que estes projectos, a serem executados até ao fim deste ano, fazem parte da linha dos programas definidos no plano estratégico da Adra.
Em termos de beneficiários, Maria de La-Salete afirmou que os quatro projectos contemplaram quatro mil famílias e 20 organizações rurais, entre associações e cooperativas de camponeses.

Desenvolvimento comunitário

Por outro lado, Maria de La-Salete Teixeira Morgado revelou que estão igualmente em cursos a serem aplicados 500 mil dólares norte-americanos, referindo tratar-se do projecto da linha de micro-crédito, que beneficia quatro associações de camponeses, duas no município da Caála e outras no Bailundo.
Os projectos estão inseridos nas acções de reforço das organizações da sociedade civil no contributo ao desenvolvimento sustentável,  na vertente da democratização, dirigido a 21 organizações comunitárias e cooperativas dos municípios.
Já no município do Longonjo, 18 associações de camponeses estão inseridas no projecto de gestão sustentável dos recursos naturais.
Ainda no município da Caála, sete associações de camponeses estão a beneficiar-se do projecto de reforço das capacidades económicas, sociais e produtivas.

Intervenção

Criada em 1990, a Adra é uma organização não-governamental que procura contribuir para o desenvolvimento democrático e sustentável, social, ambientalmente justo e para o processo de reconciliação nacional e paz em Angola.
Compromete-se melhorar, nas suas intervenções e gestão, ser exigente com os métodos de trabalho e respeitar os desejos e necessidades dos beneficiários e parceiros.