Osector agrícola contribui, actualmente com apenas 12 por cento do produto interno bruto (PIB), um valor ainda baixo, tendo em conta as potencialidades do país, segundo declarou, na passada terça-feira, em Luanda, o secretário de Estado para Agricultura e
Pecuária, Carlos Alberto Pinto.
Carlos Alberto Pinto, que discursava na abertura da Feira de Promoção de Competências para a Inovação dos Sistemas Agrários (CDAIS), revelou que com base nos indicadores do Ministério, o sector da Agricultura poderia contribuir muito mais no crescimento do PIB do país se a esta actividade lhe fossem agregadas outras valências, como melhor gestão das competências de inovação e maior cooperação entre os actores do sector agrário.
Para inverter a situação, caracterizada por baixa produção e produtividade, o secretário apontou o Plano de Desenvolvimento para o sector Agrário 2017/2022, instrumento operacional do ministério, que permitirá alavancar a agricultura familiar e a agricultura empresarial, de modo a assegurar o aumento da produção de alimentos da cesta básica, acesso aos recursos e serviços necessários à produção, melhoria das condições laborais e sociais no meio rural.
Sublinhou que desta forma o sector será capaz de promover a produtividade agrícola, a competitividade e a sustentabilidade.
Tal visão permitirá traçar o caminho para melhorar, de forma eficaz, a capacidade para a inovação conjunta e fortalecê-la a nível de parcerias organizacional e institucional.
Afirmou que os desafios impostos pelas mudanças climáticas, liberalização do comércio, procura por alimentos, partilha justa dos benefícios intervenientes das cadeias de valores exigem a adopção de um marco comum sobre a inovação dos sistemas agrários.

Inovação agrária
Por sua vez, o representante da FAO em Angola, Mamadou Dialou, considerou que a inovação agrária é um pré-requisito para fazer face ao desafio da produção alimentar, para atender o vertiginoso crescimento da população mundial.
Na sua visão, a inovação agrária é o alicerce para alcançar os objectivos de desenvolvimento sustentável do milénio, para erradicar a fome e a pobreza, alcançar a segurança alimentar, melhorar a nutrição e promover a agricultura sustentável.
O projecto de desenvolvimento de Competências para a Inovação dos Sistemas Agrários (CDAIS) é uma iniciativa global da Plataforma da Agricultura Tropical-TAP e visa desenvolver sistemas de inovação agrária mais eficientes e sustentáveis em conformidade com as necessidades dos agricultores, do agro-negócio e dos consumidores, tendo em conta o desenvolvimento de competências em três dimensões: individual, organizacional e ambiente propício, com ênfase no desenvolvimento de competências funcionais e técnicas.
O projecto CDAIS é financiado pela União Europeia e implementado em oito países-piloto (Angola, Bangladesh, Burquina Faso, Guatemala, Etiópia, Honduras, Laos e Rwanda).
Em Angola, o projecto CDAIS está a ser implementado pelo Ministério da Agricultura através do Instituto de Investigação Agronómica (IIA) em parceria com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Agrinatura (um consórcio de 31 Universidades e instituições de investigação científica europeia).