O desenvolvimento da agro-indústria em África tornou-se um desafio para fazer face à crise e responder as necessidades crescentes de uma população cada vez mais numerosa.

Segundo a Comissária da União Africana para a Economia Rural e Agricultura, Josefa Sacko, que discursava na abertura do workshop subordinado ao tema “Deversificação da economia-desenvolvimento do sector agro-industrial”, realizado em Luanda, na passada quarta-feira, pela associação “Tea Club”, as estratégias em curso a nível do continente vão ajudar 1,5 mil milhões de pessoas a garantir a segurança alimentar e reduzir a pobreza.
Esclareceu que 70 por cento dos alimentos que vão a mesa dos africanos são produzidos pela agricultura familiar.
Por sua vez, o director Nacional das Florestas, do Ministério da Agricultura, Domingos Veloso, disse que em Angola, estão disponíveis 35 milhões de hectares de terras aráveis, das quais apenas 5 milhões, o equivalente a 14 por cento estão cultivados.
Para o responsável, os actuais níveis de produção agrícola no país permitem reduzir a importação em apenas 40 por cento.
Para dinamizar a agricultura, o país vai importar trimestramente 70 mil toneladas de adubos a partir do Reino de Marrocos.
Domingos Veloso avançou que o objectivo é aumentar os níveis de produção agrícola para diminuir a importação, que consome cerca de 350 milhões de dólares ano.
No evento, Amélia Cazalma, que dissertou o tema “os caminhos para o sucesso na indústria do turismo” sublinhou que, o país precisa investir na construção e apetrechamento dos centros turísticos, para captar divisas e criar postos de trabalho para os angolanos.

Criar oportunidades
Durante a secção de abertura, a presidente da associação “Tea Club”, Tchizé dos Santos, explicou que o objectivo do certame é colocar sob o mesmo “tecto” intervenientes das diferentes esferas do desenvolvimento económico do país, bem como os interessados nas acções que visam dinamizar o sector da agro-industria.
O incentivo ao desenvolvimento da agricultura, os incentivos fiscais e aduaneiros para o sector agro-industrial foram também aflorados.
Durante o encontro foram debatidos 12 temas, com destaque para os “instrumentos de apoio ao sector agro-industrial”, “projectos e oportunidades na agricultura e indústria”, “programas de incentivos aduaneiros” e o “plano de desenvolvimento industrial”.
A Associação “Tea Club” está vocacionada ao resgate dos valores morais, congregando mulheres Executivas dos diferentes estratos da sociedade.