A Associação Industrial de Angola (AIA) espera que o Governo crie condições para incentivar o empresariado a investir no pólo industrial do município da Caála, na província do Huambo, através da disponibilização de água potável, energia eléctrica e aposta na agricultura empresarial, assim como num estudo profundo do caminho-de-ferro, entre Bié e Cuando Cubango, para facilitar a permanência dos camponeses nos campos de cultivo.
A proposta foi apresentada pelo presidente da AIA, José Severino, quando falava sobre a situação actual e oportunidades de melhoria do ambiente de negócios, durante o I fórum de investimentos do Huambo, realizado, recentemente, naquela cidade.
José Severino considera necessário, também, resgatar-se a tradição industrial da província do Huambo, de forma particular, através de um inquérito situacional para ver o que se passa com as empresas paradas, apoiando os empresários nacionais, com o incentivo da indústria moageira, bem como a reabilitação das estradas que ligam esta região com as províncias de Luanda, Benguela, Huíla e Bié, que, por sua vez, deve estar ligada ao Moxico.
Segundo o responsável, a região do Huambo, a par do Bié e parte da Huíla, Benguela e Malanje, possui um grande potencial agrícola e industrial que, bem explorado, pode garantir a auto-suficiência em milho, hortícolas e frutas, ajudando o país a sair da crise.

Alavancar a agro-indústria
Por outro lado, defende a implementação de um sistema eficaz de abastecimento de água potável e energia eléctrica, a reabilitação das estradas e a melhoria da renda tributária, sob o imposto de terra, foram apontadas, como as principais estratégias para alavancar o potencial agro-industrial existente na província do Huambo.
O I fórum de investimentos da província do Huambo decorreu sob o lema “Promover oportunidades, estimular a produção nacional e atrair investimento estratégico – Huambo, a cultivar o futuro e a valorizar-se”.