A partir de Agosto do ano em curso, mais de 100 famílias de baixa renda da aldeia de Candão, circunscrita ao município do Chinguar, na província do Bié, vão beneficiar de residências do projecto “Aldeamento Kikuia”.

Inserido no programa de investimentos públicos (PIP) e sob responsabilidade do Ministério do Comércio, o mesmo tem incidência na perspectiva de redução da assimetria rural, contando já com 90 residências concluídas das 100 previstas.

Neste sentido, a vice-governadora do Bié para o sector Económico, Deolinda Belvinda, assegurou que o projecto “Aldeamento Kikuia” permite o crescimento rural e a projecção de vida sustentável das populações.

Mais projectos
A governante esclareceu que a par das residências decorrem outras construções de componentes sociais que enquadram pequenas indústrias de transformação.

Deolinda Gonçalves sublinhou que o projecto “Aldeamento Kikuia” vai alargar a superfície comercial da região e criar centenas de empregos directos.

A vice-governadora do Bié referiu que o projecto traduz mais uma oportunidade de emprego para as famílias, porque, a seu entender os populares da aldeia de Candão vão contribuir, também, para o asseguramento dos equipamentos técnicos ali instalados.

Na óptica da governante, o município do Chinguar representa um corredor de comércio interprovincial e aos poucos vai atingindo patamares visivelmente satisfatórios, quer na vertente de infra-estruturas, quer na dinâmica comercial.

De acordo ainda com Deolinda Gonçalves, com o crescimento do município, várias iniciativas de investimento vão surgindo e tornando desta forma robusta a condição socioeconómica da população da Chinguar.

Localizado a cerca de 75 quilómetros a Oeste do Cuito, capital do Bié, o município do Chinguar conta além da sua sede com as comunas do Cutato e do Cangote.

Financiamento assegurado
Ainda nesta província, o Ministério do Comércio vai disponibilizar a pequenos empresários da província do Bié um montante de até 60 milhões de kwanzas por ano para a aquisição de produtos agro-pecuários, anunciou recentemente, no Cuito, Álvaro Paixão Júnior.

O secretário do Estado para o Comércio Interno, que presidiu o seminário sobre a descentralização financeira e operacional do programa de aquisição dos produtos agro-pecuários (PAPAGRO), no Cuito, Bié, frisou que já foram feitas triagens de identificação das capacidades dos operadores económicos.

De acordo ainda com Álvaro Paixão Júnior, estas triagens vão na fase inicial trabalhar com o ministério e com os camponeses. O governante explicou que a contemplação do respectivo orçamento vai ser feita em prestações trimestrais, correspondentes a um valor de 15 milhões por trimestre para desenvolver as suas actividades na componente da compra directa à produção agrícola.

Sublinhou, por outro lao, que no quadro do financiamento do programa “Angola Investe”, com vista a fomentar o empresariado angolano, o referido orçamento pode estender-se no valor de 5 milhões de dólares especificamente.

No seminário sobre a descentralização financeira e operacional do Papagro, realizado no Cuito, participaram, entre outras individualidades, membros do Governo, agentes económicos da província do Bié, autoridades tradicionais e agricultores.