Angola foi,  a seguir a Arábia Saudita e Iraque, o membro dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) que mais aumentou a sua produção, no mês de Março.

De acordo com o relatório mensal da organização dos países exportadores de petróleo, divulgado recentemente pela revista “Welwitchia”, propriedade da embaixada de Angola na República Federal da Alemanha, foram produzidos cerca de 1,758 milhões de barris de petróleo por dia, numa média diária de mais de 2,4 mil barris, do que em Fevereiro.

Desde o início do ano, o país tem aumentado a sua produção mensal, segundo as informações publicação na edição de 2013 da revista “Welwitchia”. No primeiro trimestre, Angola produziu em média 1,755 milhões de barris de petróleo por dia, quando no último trimestre de 2012 havia produzido 1,728 milhões, valor que ainda assim situa-se longe da meta apontada pelo Executivo angolano, que preconizava uma produção petrolífera de 1,8 milhões por dia.

Principais clientes  
Segundo a fonte, Angola mantém-se como segundo fornecedor de petróleo para a China, assegurando 13 por cento das importações da potência asiática, que se situaram em Fevereiro em 5,416 milhões de barris de petróleo, abaixo da 5,88 milhões importados em Janeiro. A Arábia Saudita continua a ser o maior fornecedor para o mercado chinês, contando com 19 por cento da quota.

As importações de petróleo da Índia também decaíram em Fevereiro, relativamente ao mês anterior, situando-se em 3,571 milhões de barris em média diária. Em Janeiro a Índia, também um importante mercado de destino das exportações petrolíferas, havia importado 4,124 milhões de barris por dia.

Os países produtores integrados na Opep asseguraram em Março, 45 por cento das importações norte-americanas de petróleo. Canadá e a Rússia mantiveram as suas posições, como primeiro e segundo fornecedores dos Estados Unidos da América, assegurando 35 por cento e 14 por cento respectivamente, do total das importações efectuadas.

Produção petrolífera
No conjunto, os países integrados na Opep, incluindo o Iraque, que não está sujeito ao regime de quotas, produziram, em Março 30,193 milhões de barris de petróleo diariamente, menos 99,6 mil barris que no mês de Fevereiro.

Os maiores recuos na produção foram verificados pela Nigéria, que registou menos 63,7 mil barris e uma produção média de 1,971 milhões de barris em média por dia, alcançada em Março. O Irão que se encontra sujeito a sanções produziu menos 48,9 mil barris, situando-se nos 2,675 milhões em média dia.

A revista revela que entre os países que aumentaram a produção destaca-se também a Arábia Saudita, que colocou em Março, mais 41,5 mil barris, em média diária no mercado do que em Janeiro. A produção Saudita atingiu os 9,123 milhões de barris diários. O Iraque aumentou significativamente a sua produção que passou para mais 19,3 mil barris diários.

Preço
Quanto a evolução do preço do petróleo no último mês, a Opep refere que o barril de referência recuou mais 5 por cento em relação a Março, situando-se em termos médios, em 106,4 dólares. Todos os componentes dos diferentes tipos de petróleo que constituem o barril de referência (Dated-Brent), contribuíram para este recuo, acentua o relatório.

A Opep espera que este ano, a procura mundial petrolífera cresça, situando-se nos 800 mil barris em média diária. O maior contributo para este aumento virá da China, cuja procura espera-se que atinja os cerca de 400 mil barris diários, associados aos países que não pertencem à OCDE, que terão a necessidade de 700 mil barris diários.

A revista Welwicha revela que este ano, a Opep espera que a procura mundial alcance os 89,67 milhões de barris por dia, o que representa um crescimento de 840 mil barris diários em relação a 2012.