Angola conseguiu reduzir para mais de metade, o número de pessoas sub-alimentadas, cumprindo com a primeira meta dos Objectivos do Desenvolvimento do Milénio (ODM), afirmou, recentemente, a directora nacional do Gabinete de Segurança Alimentar do Ministério da Agricultura e Florestas, Ermelinda Caliengue.
A responsável que falava à Angop, a propósito do dia Mundial da Alimentação, assinalado na passada segunda-feira, considerou satisfatório o quadro actual do país em termos da segurança alimentar, tendo em conta o aumento da produção nacional com qualidade na fileira de cereais,
tubérculos e da carne.
De acordo com Ermelinda Caliengue, após atingir a meta dos ODM, o Governo angolano está a trabalhar no sentido de alcançar o desenvolvimento sustentável, traçando metas concretas para a erradicação da fome, desnutrição e da pobreza no país.

Acesso a alimentos

A responsável referiu que para assinalar esta data estão a ser realizadas várias actividades a nível do país, visando aumentar a consciencialização das pessoas sobre a fome e dar a conhecer a necessidade que o Governo tem para garantir o acesso a alimentos seguros e nutritivos às populações.
“Actualmente temos níveis de produção de algumas culturas que estão além das necessidades do país, como a produção da mandioca, batata-doce, hortícolas, legumes e da banana, produtos que apresentam excedentes”, afirmou.
Reconheceu igualmente o baixo nível de produção do arroz e do trigo, que o país ainda importa para satisfazer a dieta alimentar das famílias angolanas.
Quanto ao desperdício alimentar, a responsável defendeu a necessidade da criação de pequenas unidades de processamento de alimentos para reduzir este mal, que afecta o meio ambiente e a saúde da população.
Segundo a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) no mundo, mais de 800 milhões de pessoas vivem em situação
de insegurança alimentar.

Produção mundial

A FAO estima ainda que o número de habitantes do planeta vai ultrapassar os nove mil milhões de pessoas em 2050 e que a produção mundial de alimentos terá de aumentar em 70 por cento para conseguir dar resposta às necessidades alimentares da população mundial.
O Dia Mundial da Alimentação celebra-se anualmente a 16 de Outubro e foi criado com o intuito de desenvolver uma reflexão a respeito do quadro actual da alimentação mundial e, principalmente, sobre a fome no planeta. A data foi escolhida para lembrar a criação da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), em 1945.
A comemoração da data visa alertar para a necessidade da produção alimentar e reforçar a necessidade de parcerias a vários níveis, alertar para a problemática da fome, pobreza e desnutrição no mundo, assim como reforçar a cooperação económica e técnica entre países em desenvolvimento.
Promover a transferência de tecnologias para os países em desenvolvimento e encorajar a participação da população rural, na tomada de decisões que influenciem as suas condições de vida, também constam dos objectivos do Dia Mundial da Alimentação.
Em Angola, o acto central, celebrado por mais de 150 países, com o lema “Mudar o futuro da migração. Investir em segurança alimentar e desenvolvimento rural”, teve lugar no município do Lovua, província da Lunda Norte, onde foram desenvolvidas várias actividades relacionadas com a alimentação e nutrição.