Cerca de 10 mil lotes de terreno foram distribuídos às populações das localidades do Buco-Ngoio, Terra Nova e Simindele, na província de Cabinda, no quadro do projecto de auto-construção dirigida, iniciado em 2008.

A primeira fase do também denominado programa de “requalificação e urbanização de terrenos”, uma iniciativa conjunta da empresa angolana de Projectos, Fiscalização e Urbanização “Profi-Urb” e o governo provincial de Cabinda permitiu requalificar e ordenar cerca de 2.000 lotes de terreno, nas zonas do Buco--Ngoio, Terra-Nova e do Simindele, em espaços orientados e delimitados com padrões para a construção dirigida.

Urbanização de lotes
A segunda etapa do programa direccionou-se na urbanização de lotes de terreno que se insere no programa nacional da habitação, que passa pela preparação de espaços para construção auto-dirigida supervisionada pela administração municipal com o apoio da Profi-Urb.

De acordo com o director- -geral da construtora, Armando do Carmo, a experiência piloto do projecto de requalificação e urbanização de lotes de terreno foi feita nestas zonas por possuírem construções de habitações feitas de forma anárquica, numa altura em que os proprietários adquiriam terrenos de maneira imprópria.

Segundo Armando do Carmo, com o objectivo de pôr fim a este tipo de prática, o Governo da Província de Cabinda implementou o programa de requalificação e urbanização de lotes de terreno, de modo a edificar-se habitações modernas.

“A tipologia de construção tem dependido da administração municipal que orienta o tipo de construção a ser feita em determinadas zonas. A Profi-Urb constitui os documentos para a obtenção de licenças que são emitidas pela administração de Cabinda, que por sua vez define o tipo de construção em cada sector”, explicou.

Na localidade do Chibo, a empresa encontrou uma área totalmente livre, sem construções desorganizadas. Nesta região, a Profi-Urb está a fazer o levantamento e a distribuição de terrenos para construções modernas.

“Desde que iniciámos com este programa, as populações ganharam o espírito de construírem de forma organizada, por isso, vamos continuar a trabalhar com o governo da província, no programa de requalificação e urbanização de terrenos para construções modernas, no processo de acompanhar e fiscalização das obras de construção”, disse.

Construções condignas
Para o director-geral da Profi-Urb, as construções auto-dirigidas fazem parte das estratégias do Executivo angolano que se cinge na preparação de espaços delimitados para as populações interessadas construírem as suas habitações de forma organizada e urbanizada.

“A auto-construção dirigida faz parte dos planos urbanísticos que visam o melhoramento e o desenvolvimento das zonas urbanas”, disse.

A iniciativa está a trazer muitas vantagens, uma vez que através desta estratégia as zonas têm várias infra-estruturas, com destaque para energia eléctrica, água potável e vias de comunicação completamente asfaltadas.