O projecto de ouro denominado “Tiandaimaning”, na comuna do Ngombe, município de Nambuangongo (Bengo), numa área de cinco quilómetros quadrados, prevê entrar em actividade em Agosto deste ano, com uma produção anual, na primeira fase, de cerca de 90 mil toneladas de minério.
Segundo a Angop, a informação foi prestada na passada quarta-feira, pelo administrador delegado da Ferrangola, João Paulino Júlio Chimuco, durante uma visita de constatação que o ministro dos Recursos Minerais e Petróleo, Diamantino Azevedo, efectuou à província.
Ao apresentar o projecto, avaliado na primeira fase em cerca de 10 milhões de dólares, João Paulino Júlio Chimuco explicou que o mesmo começou a ser desenvolvido em 2012/2013, sendo já determinado alguns recursos devidamente avaliados, e que poderão ser brevemente objecto de extracção.
Informou que depois de efectuada a avaliação e a estimativa deste depósito, determinou-se uma quantidade de minério de 600 mil metros cúbicos, cujas amostras foram analisadas em laboratórios no exterior do país, apresentando um teor médio de 5 gramas/tonelada.
Com base nos resultados alcançados, foi possível estabelecer um programa a pequena escala com uma produção anual de 90 mil toneladas de minério, podendo atingir um período de vida útil superior a dez anos, informou.

Marco importante
Em declarações à imprensa o ministro dos Petróleos e Recursos Minerais, Diamantino Azevedo, sublinhou que o início da exploração de ouro no país constitui um marco, tendo em conta que se prevê este ano, o início de dois projectos (Bengo e Huíla) da mesma dimensão, e com potencial para evoluir para outros patamares.
Neste momento, a fase prospecção conta com 29 angolanos (69,05 por cento) e 13 expatriados (30,95). Na fase de exploração o número de trabalhadores angolanos poderá atingir a cifra de 215 (76,79) e a de expatriados 65, representando (23,21).
Actualmente, a província do Bengo tem 57 títulos
minérios emitidos.