A Companhia de Bioenergia de Angola (Biocom) permitiu o país poupar, de 2015 a 2018, cerca de 170 milhões de dólares norte-americanos, com a produção nacional de açúcar e etanol, disse o director de produção da empresa, Ricardo Guerra.
O gestor disse que com a produção de açúcar e etanol na ordem dos 55 e 50 por cento, respectivamente, o país poupou tais valores que seriam empregues na importação, caso não fosse produzido no país.
Fez saber que, em 2020, prevê-se uma poupança de divisas na ordem dos usd 80 milhões, com a produção local de 110 mil toneladas de açúcar (mais 37 em relação a 2018) e 19 mil metros cúbicos de etanol neutro (mais dois mil), oito mil e 500 dos quais serão exportados para a França e Suíça.
Falando no último fim-de-semana à margem de uma visita do governador provincial, Norberto dos Santos “Kwata Kanawa”, ao empreendimento, o responsável adiantou que, com esta exportação a Biocom vai encaixar 3,5 milhões de dólares norte-americanos, o que vai contribuir igualmente para o país obter divisas, bem como reforçar a tesouraria da empresa.
Acrescentou que para além de açúcar e etanol, a companhia perspectiva ainda durante a safra/2019, a produção de 55 megawatts de energia eléctrica, que vai representar um aumento de 34 megawatts em relação ao ano transacto.