Os empreendimentos urbanísticos serão erguidos na localidade de Chibodo e contarão com residências do tipo T2, T3 e T4 contemplando 1.002 apartamentos.

A província de Cabinda vai contar brevemente com duas centralidades, que serão construídas na localidade de Chibodo, cujas obras estão a cargo da empresa Sonangol Imobiliária.

Os empreendimentos enquadram-se no programa do Executivo angolano, que visa a construção de um milhão de casas, em todo o país. De acordo com o secretário provincial do Ordenamento do Território, Urbanismo e Ambiente, Paulo Luvambano, que falava ao JE, as obras da primeira centralidade darão início no segundo semestre deste ano, e contemplam infra-estruturas modernas para dignificar o bem-estar dos futuros moradores.

O primeiro projecto habitacional contará com 2.000 residências de tipologia T3 e a segunda urbanização do Chibodo estão a ser construídas entre mil e dois apartamentos modernos de carácter vertical de tipo T3 e T4.

Segundo o arquitecto Paulo Luvambano, além das centralidades do Chibodo, estão igualmente a ser feitos trabalhos de urbanização da Vila Esperança, que consiste na construção de 100 habitações de tipo T3 a serem entregues brevemente.

Casas sociais

Na ocasião, o responsável disse que existe um esforço enorme das autoridades locais bem como a nível central para que a província de Cabinda “não fique a margem dos programas traçados pelo Governo angolano”.

“A ideia do Executivo central e local é de tornar a aldeia do Chibodo, numa zona de urbanização moderna com todas as infra-estruturas que dignifiquem as populações da região”, frisou.

O responsável informou que, até no final do ano em curso, Cabinda, vai ter em média 250 fogos disponíveis, resultantes da conclusão das casas sociais que estão a ser construídas nas zonas da Cata-Buanga, Lites, no Buco-Zau e no Tenda, município do Cacongo, Vila Esperança e Chibodo, no município sede (Cabinda).

Projectos estruturantes

No âmbito do Programa de Investimento Público (PIP) está em curso a construção de 600 casas sociais nos municípios de Belize, Buco-Zau e Cacongo, cabendo cada 200 residências T3, numa área de 86 metros quadrados.

“Neste momento estão a ser feitos trabalhos de terraplanagem, devido a irregularidade dos solos nos locais onde as habitações serão erguidas. Nas localidades do Lombe de Cima estão a ser feitos trabalhos de terraplanagem devido a irregularidades dos solos nas duas localidades e depois desta fase, iniciaremos com os trabalhos de construção das moradias. No município do Cacongo estamos a construir algumas casas”, disse.

O nosso interlocutor salientou que ainda no município do Cacongo está a ser urbanizada a aldeia do Tenda com 140 moradias do tipo T3 e algumas residências estão em fase de conclusão.

No município do Buco-Zau, na aldeia do Cata-Buanga estão a ser construídas 70 casas sociais do tipo T3 e no Lite 80 residências já concluídas.

De acordo com Paulo Luvambano, a criação de novas urbanizações bem como a construção de casas sociais nos municípios de Belize, Buco-Zau e do Cacongo, são acções que estão a ser implementadas pelo Governo local, enquadradas no seu programa de construção de um milhão de casas modernas em todo o território nacional, projecto liderado pelo Executivo angolano.

Aquisição das residências

O acesso às novas habitações é livre, bastando apenas que o cidadão que pretender reúna os requisitos necessários.

“Quem for beneficiário e não tiver meios suficientes para comprar a casa, pode alugar a sua habitação até amortizar os valores. Outra maneira de adquirir a casa é através da aquisição de crédito bancário apresentando toda a documentação exigida pelo banco. Também vai ser criado o fundo habitacional como acontece noutros países que serve de avalista para permitir e facilitar o requerente a ter a sua moradia”, referiu Paulo Luvambano.

Complexos residenciais

As habitações do complexo do Cabassango e do Buco-Ngoio, num total de 400 residências do tipo T3, visam igualmente dar resposta à procura de habitações na região.

O Governo da província de Cabinda está a elaborar vários projectos para a urbanização das aldeias do Labo Pequeno, no Mbundo e no Caio Nguembo, localizados no município do Buco-Zau.

Leia mais sobre outras notícias da actualidade na edição impressa do Jornal de Economia & Finanças desta semana, já nas bancas