Falando no acto central do 5 de Junho, Dia Mundial do Ambiente, realizado no parque da Kissama em Luanda, a governante, fez uma visita guiada ao local e procedeu a queima de cornos de marfim, para desincentivar o seu comércio ilegal.
Assegurou que pretende-se combater de forma contínua e rigorosa, todas as práticas ilegais relacionadas a redes que sustentam tais crimes.
A ministra, explicou que depois do encerramento das bancadas de marfim na praça do artesanato do Benfica em 2016, têm estado em alerta com equipas de fiscais para combater casos isolados, e afirmar a ilegalidade tanto do comércio de produtos como do seu abate.
Segundo ela, esta é uma prática que tem invadido a África Austral e o mundo, sendo uma luta árdua, cada vez mais contra-atacada com políticas firmes e apoio de parceiros como as Nações Unidas, Stop Árvores, associações e sociedade civil.
A governante, destacou a parceria com a National Geographic na pesquisa de espécies da fauna e flora local, além dos seus ecossistemas e toda biodiversidade , que trará para o país um novo conceito em termos de ecoturismo e da própria investigação conceitual para o mundo.
Salientou ainda, que o parque da Kissama constitui um dos privilégios das zonas protegidas, pelo seu valor tanto em termos de biodiversidade como de uma possível exploração ecoturística que dará outros proventos para o país.