O primeiro inventário nacional sobre o marfim referente a 2012/2017 estima que neste período foram mortos pelo menos 50 elefantes, o que terá produzido um milhão 240 quilogramas de marfim.
A informação foi dada na passada terça-feira, à Angop pela Chefe de Departamento e Ponto Focal da CITES em Angola, Albertina Matias, realçando que o estudo registou a morte natural de seis elefantes de 2012/ 2014, outros 11 entre 2015 e 2016 e 30 em 2017.
Registou-se ainda a morte de seis jovens elefantes por causas indefinidas
De acordo com ela, foram detidos na província do Cuando Cubango 13 caçadores furtivos, dos quais três foram julgados e estão a cumprir penas que vão de seis meses a um ano, enquanto outros nove aguardam julgamento.
Em Luanda, três cidadãos chineses foram detidos e esperam por julgamento e outros quatro angolanos encontram-se na mesma situação.
Albertina Nzuzi disse, que foram retiradas amostras para o estudo de DNA que vão determinar a proveniência dos elefantes mortos.
A responsável defendeu a implementação efectiva da Convenção Internacional sobre o Comércio das Espécies da Fauna e Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção (CITES) em Angola.

Comércio ilegal
No mês passado, a ministra do Ambiente, Paula Francisco, reiterou, a continuidade do combate ao comércio ilegal de espécies da Fauna e Flora selvagem, com vista à preservação da diversidade ecológica.
Falando por ocasião do Dia Mundial da Biodiversidade, Paula Francisco frisou que o esforço conjunto dos órgãos transversais, empreendido para a protecção e preservação de várias áreas e espécies, está acautelado com acções e programas internacionais e nacionais.