O município de Cacuaco, em Luanda, estima cultivar na presente campanha agrícola (2018/2019) mais de 2 mil hectares de terra com previsão de produzir acima das 14 mil toneladas de diversos produtos com destaque para as hortícolas, tubérculos e frutícolas, informou o director municipal da Agricultura, Agro-pecuária e Pescas, José de Castro.
Segundo o director, a administração local tem prestado apoio aos agricultores para que se possa atingir este desiderato, apesar das vicissitudes que têm enfrentado referente às chuvas irregulares ou a estiagem, principalmente, nas zonas baixas de produção.
“O sector da agricultura é promissor e em breve o Estado vai subsidiar os combustíveis, o que vai reduzir o custo de produção agrícola, e baixar o valor dos produtos nos mercados. Acredita-se que com esta medida, muitos actores vão entrar para o sector da agricultura”, afirmou o director.

Escoamento da colheita
Em algumas zonas agrícolas em Cacuaco há facilidade de escoamento de toda a produção feita no campo. Noutras, como Ncuta, Casulo e Malengue atendendo o estado degradante em que estão as vias que levam às zona de produção, há maior dificuldade dos carros lá chegarem, e dependem do apoio das famosas “Caluluias”, moto-táxis de três rodas, que fazem a transportação da produção destas zonas, para os mercados do Sabadão e do Kifangondo.
O mercado do Sabadão, situado na Caop Velha, comuna da Funda, é um dos maiores destinos da produção da região, a par do mercado do Kicolo e do quilómetro 30.
O director da Agricultura e Pescas de Cacuaco afirmou que em época de alta produção de tomate, cebola e outras hortícolas, os agricultores recorrem a outros mercados do interior do país.

Controlo
José de Castro adiantou que a administração de Cacuaco controla 15 cooperativas agrícolas, duas associações de camponeses e dois núcleos de camponeses que totaliza mais de 1.000 associados na circunscrição.
“Espera-se com a reabertura do crédito de campanha, um mecanismo de motivação para os agricultores, que possa servir para financiar mais a actividade dos camponeses, na compra de insumos agrícolas e consequentemente potenciar a agricultura da região”, disse José de Castro.
Informou que atendendo o volume de obras que se devem efectuar nestas zonas de canais de irrigação, que ultrapassam a competência da administração local, foi inscrito num projecto de intervenção a nível do Programa de Investimento Público.
Desta feita, tão logo seja disponibilizada alguma verba vão dar início às obras nestas valas para desassoreamento e reperfilamento, bem como a reabilitação dos diques de protecção de modo que quando aumentar o caudal da água do rio esta não transborde para as zonas de cultivo.
Outra questão, é o custo do combustível utilizado nas moto-bombas que puxam a água do rio Zenza para as lavras, mas o recente anúncio do Governo em subsidiar os combustíveis para a agricultura trouxe uma “ lufada de ar fresco” para muitos agricultores, pois vai reduzir os custos de produção agrícola e promover a produção em larga escala.O município de Cacuaco, em Luanda, estima cultivar na presente campanha agrícola (2018/2019) mais de 2 mil hectares de terra com previsão de produzir acima das 14 mil toneladas de diversos produtos com destaque para as hortícolas, tubérculos e frutícolas, informou o director municipal da Agricultura, Agro-pecuária e Pescas, José de Castro.
Segundo o director, a administração local tem prestado apoio aos agricultores para que se possa atingir este desiderato, apesar das vicissitudes que têm enfrentado referente às chuvas irregulares ou a estiagem, principalmente, nas zonas baixas de produção.
“O sector da agricultura é promissor e em breve o Estado vai subsidiar os combustíveis, o que vai reduzir o custo de produção agrícola, e baixar o valor dos produtos nos mercados. Acredita-se que com esta medida, muitos actores vão entrar para o sector da agricultura”, afirmou o director.

Escoamento da colheita
Em algumas zonas agrícolas em Cacuaco há facilidade de escoamento de toda a produção feita no campo. Noutras, como Ncuta, Casulo e Malengue atendendo o estado degradante em que estão as vias que levam às zona de produção, há maior dificuldade dos carros lá chegarem, e dependem do apoio das famosas “Caluluias”, moto-táxis de três rodas, que fazem a transportação da produção destas zonas, para os mercados do Sabadão e do Kifangondo.
O mercado do Sabadão, situado na Caop Velha, comuna da Funda, é um dos maiores destinos da produção da região, a par do mercado do Kicolo e do quilómetro 30.
O director da Agricultura e Pescas de Cacuaco afirmou que em época de alta produção de tomate, cebola e outras hortícolas, os agricultores recorrem a outros mercados do interior do país.

Controlo
José de Castro adiantou que a administração de Cacuaco controla 15 cooperativas agrícolas, duas associações de camponeses e dois núcleos de camponeses que totaliza mais de 1.000 associados na circunscrição.
“Espera-se com a reabertura do crédito de campanha, um mecanismo de motivação para os agricultores, que possa servir para financiar mais a actividade dos camponeses, na compra de insumos agrícolas e consequentemente potenciar a agricultura da região”, disse José de Castro.
Informou que atendendo o volume de obras que se devem  efectuar nestas zonas de canais de irrigação, que ultrapassam a competência da administração local, foi inscrito num projecto de intervenção a nível do Programa de Investimento Público.
Desta feita, tão logo seja disponibilizada alguma verba vão dar início às obras nestas valas para desassoreamento e reperfilamento, bem como a reabilitação dos diques de protecção de modo que quando aumentar o caudal da água do rio esta não transborde para as zonas de cultivo.
Outra questão, é o custo do combustível utilizado nas moto-bombas que puxam a água do rio Zenza para as lavras, mas o recente anúncio do Governo em subsidiar os combustíveis para a agricultura trouxe uma “ lufada de ar fresco” para muitos agricultores, pois vai reduzir os custos de produção agrícola e promover a produção em larga escala.