Os produtores do café do município de Nharea (Bié) pediram ao Governo, a instalação de uma fábrica de torrefacção e máquinas de descasque do café, para melhorar a colheita do "bago vermelho".

Jorge Chaves, cafeicultor da aldeia de Tarala, mostrou-se preocupado com a falta de máquinas de torrefacção, facto que tem provocado a deterioração do café na municipalidade.

Disse que estas infra-estruturas vão beneficiar, também, os cafeicultores do município do Andulo e vai ajudar os produtores de café a obterem melhores rendimentos.

António Cassoma pequeno produtor de café, na comuna da Gamba, afirmou que uma unidade de descasque de café será uma mais-valia para os produtores desta região do centro do país.

O Gabinete da Agricultura na província do Bié recenseou 295 cafeicultores, que trabalham uma área de 1.475 hectares na produção do café arábica, produto de referência nos municípios de Nharea e do Andulo.

Fomento da produção

No âmbito do programa de fomento do café, o governo do Bié, apostou no relançamento da produção do café arábica nos municípios do Andulo e Nharea com entrega e plantação de mais de 150 mil plantas de café arábica nos últimos três anos.

Na sequência das mudas distribuídas aos pequenos camponeses e associados, pelo Gabinete da Agricultura no Bié, os cafeicultores do Andulo e Nharea almejam alcançar a produção da era colonial, de sete toneladas de café por ano.

De acordo com o director municipal da agricultura no Andulo, Bernabé Sanguali, o projecto de fomento do café incentiva os produtores locais, que pretendem atingir as marcas do passado, sete toneladas, a aumentarem a produção do café arábica com apoio do Governo.

"Além das 20 mil mudas do programa local de fomento do café, o município do Andulo beneficiou, mais de 50 mil mudas produzidas pelas associações de camponeses em conjunto com a Estação de Desenvolvimento Agrário ‘EDA’ a Acção Angolana do Desenvolvimento ‘AAD’. Recebeu ainda mais 8 mil mudas entregues pelo Ministério da Agricultura", afirmou Bernabé Sanguli.

O director da Agricultura no Andulo confirmou que este ano espera-se colher mais de 500 toneladas de café arábica, em função da plantação feita desde o ano agrícola 2015/2016.

"As mudas plantadas em 2015 vão começar a produzir e colher, já a partir deste ano, uma safra na ordem das 500 toneladas ano", garantiu, explicando ainda, que o café é um produto colhido depois de três anos de plantio.

Dados do Gabinete provincial da Agricultura no Bié apontam que nos últimos três anos os cafeicultor dos municípios do Andulo e de Nharea receberam mais 150 mil mudas de café, com a intenção de reforçar a produção local.

Nharea destaca-se

No âmbito do relançamento da produção do café, a administradora municipal de Nharea, Maria Lúcia Chicapa, convidou os camponeses a relançarem a produção do café arábica, cujos níveis de cultivo ainda são muito baixos.

A governante mostrou-se preocupada com a redução dos níveis de produção do café arábica, nos últimos anos, sublinhando que a zona já foi tida na época colonial como um celeiro, com uma safra de mais de sete toneladas ano.

Para a administradora é importante que os cafeicultores voltem a aumentar a produção do café, para possibilitar o seu consumo em outras localidades.