O mau estado das vias rodoviárias que ligam a comuna de Calussinga, no Andulo (Bié) aos municípios vizinhos da Quibala e Mussende, no Cuanza Sul, e Malanje está a inviabilizar o desenvolvimento socioeconómico da região.
Segundo a administradora local, Elisa da Graça Segunda, a comuna de Calussinga constitui um grande potencial económico da província, mas a exploração das suas riquezas está condicionada ao mau estado das vias de acesso à localidade.
Elisa da Graça Segunda revelou que o estado degradante da estrada que liga a comuna de Calussinga às principais povoações agrícolas nomeadamente a Chimbinda, Chissole, Tumba, Ulimba, Tchioco e Ndulo Epalanga deixa intransitável as vias, que clamam por obras de restauro há mais de 25 anos. Lamentou o agudizar da situação, nos últimos tempos.

À espera de mais investimentos
Apesar dos avanços, mas devido à carência ainda existente em relação a certas infra-estruturas sociais e habitacionais e à degradação das vias terciárias da região, o sector agro-pecuário de Calussinga está longe de proporcionar o bem-estar total à população local.
Face a esses condicionalismos, a comuna enfrenta dificuldades para atrair quadros que possam contribuir para o desenvolvimento social e económico da região.
Disse que a única saída para inverter o quadro passa pelo envolvimento dos investidores do sector empresarial privado.
Outro factor constrangedor apontado pela administradora comunal tem a ver com o estado degradado das vias secundárias e terciárias, e os respectivos pontecos, que inviabilizam o escoamento dos produtos do campo para a cidade.
Com esta situação, referiu, muitos produtos dos camponeses acabam por se deteriorar nos campos de cultivo, causando grandes prejuízos aos produtores.

Placa giratória
Conhecida como placa giratória tradicional, a localização estratégica da vila de Calussinga facilita a circulação de pessoas e bens entre as províncias do Huambo, Cuanza Sul, Malanje, Luanda e Bié.
A comuna de Calussinga situa-se a Oeste do Andulo. É limitada a leste pela comuna de Chivaúlo, a este pelo município de Quibala (Cuanza Sul), a nordeste pela comuna de São Lucas (Cuanza Sul) e ao Sul pelo Mungo (Huambo).
A comuna de Calussinga, com a maioria dos habitantes a dedicar-se à agricultura de subsistência familiar, tem uma superfície de 4.150 quilómetros quadrados. Alberga 168 aldeias e uma população estimada em mais de 80 mil habitantes.