A administração municipal de Caluquembe, província da Huíla, criou recentemente, um banco de sementes diversas, que está a permitir dinamizar o processo de apoio às famílias camponesas associadas em cooperativas.

O administrador municipal de Caluquembe, José Arão Nataniel, explicou ao JE, que o município de Caluquembe prima por uma agricultura intensiva, ao contrário da extensiva. O associativismo e o cooperativismo no ramo da agricultura já é uma realidade.

O responsável esclareceu que foi criado um banco de sementes, que é financiado pela administração municipal, por via do programa de combate à fome e à pobreza.

Explicou que o banco funciona como um fiel depositário de sementes adquiridas e emprestadas ao povo pela administração municipal, que são retornáveis, para posteriormente, serem entregues a outros beneficiários.

Mais-valia
A administração municipal de Caluquembe, disponibiliza aos camponeses sementes de milho, massambala, massango, feijão, para diversificar a renda familiar e proporcionar uma economia aceitável às populações locais.
Além das sementes de cereais e hortícolas, afirmou, disponibiliza às famílias camponesas, gado de tracção animal.

Lembrou que no quadro da preparação da campanha agrícola 2014/2015, em Agosto do ano passado, foram entregues animais e sementes a várias cooperativas de mulheres do município, que estão a permitir realizar a actividade de forma salutar.
Foram entregues sementes que visam o incentivo ao incremento da actividade do campo.

“Hoje já podemos contar com mais de cinco toneladas de sementes diversas, incluindo as hortícolas, que resultam da actividade de rotatividade, e que contempla outras famílias.

Afirmou que o camponês eventualmente não tem recursos para adquirir sementes. “Notamos que ele tem força, solo e vontade de trabalhar. Mas por falta de sementes, o desejo fica gorado. A administração municipal local está a trabalhar para que todos tenham a oportunidade de produzir”, disse.

A aplicação de técnicas de mecanização agrícola, associadas ao cultivo, a administração municipal dispõe de tractores, que estão a facilitar em grande medida o processo da preparação e cultivo de solos extensos.

Época agrícola
A campanha agrícola 2014/2015, referiu, decorre com normalidade, onde advinha-se como sendo melhor, pelo facto de que neste período, há consideráveis chuvas, em relação ao período anterior.

“Os indicadores de precipitações, mostram-nos ser possível ter um período de colheita satisfatório”, salientou.

Referiu que a presente campanha agrícola compreende duas fases. Já foram colhidas sementes cultivadas nas áreas baixas, vulgo (nacas), para de seguida serem colhidos cereais e tubérculos.

Afirmou que para a presente campanha agrícola, há um envolvimento muito grande, não só de todas as forças vivas do município. A principal actividade da população local é essencialmente a agricultura e a pecuária.

A administração municipal, a Estação de Desenvolvimento Agrário (EDA) e o Instituto de Desenvolvimento Agrário estão a facilitar o trabalho dos camponeses com formações, para o aumento do nível de conhecimento em relação às técnicas de cultivo, o maneio das plantas, formas de rotação de culturas, a fertilização, preparação dos solos, tratamento e sementeiras nas épocas próprias.

Ganhos
O projecto está a permitir que os camponeses organizados em cooperativas e associações consigam beber experiências e realizem melhor actividade agrícola.

O objectivo é fazer com que os camponeses consigam trabalhar e obtenham maiores rendimentos, tendo em conta os espaços.
José Arão Nataniel informou que para a campanha agrícola 2014/2015, foram preparados 35.000 hectares, dos quais mais de 28.000 foram cultivados e um total de 6.000 serão para semear feijão.

Caluquembe controla 160 associações de camponeses e 31 coope