O s camponeses integrados em associações e cooperativas agrícolas afirmaram que têm estado a enfrentar “muitas dificuldades”, no abastecimento de combustíveis para os meios de transportes, durante o período de cultivo.

Segundo o presidente da Confederação das Associações de Camponeses e Cooperativas Agro-Pecuárias de Angola (UNACA) no Bié, Mariano Sassoma, as máquinas para a mecanização agrícola precisam de ser abastecidas com combustível para a limpeza dos campos e facilitar o nível de cultivo.
O responsável explicou que não recebeu nenhum documento oficial do Governo que fale sobre o direito de combustível para os camponeses, mas, apercebeu-se através dos órgãos de informação.
Mariano Sassoma salientou que para melhor controlo na distribuição de materiais agrícolas e fertilizantes, os camponeses organizaram-se em cooperativas e associações.
Disse que os nove municípios estão controlados em associações e cooperativas para melhor compreensão dos problemas que vivem.
Mariano Sassoma revelou que 8.797 cooperativas e 5.892 associações, compostas de 12 a 24 camponesa estão controladas e legalizadas pela Unaca, no Bié.
Falta de fertilizantes
Em relação à campanha agrícola 2018/2019, o presidente da Unaca no Bié declarou que a falta de fertilizantes é outro problema enfrentado pelos camponeses.
Os camponeses sugerem ao Governo a construção de indústrias transformadoras para a preservação dos produtos agrícolas que acabam por se estragar.
Mariano Sassoma, sublinhou que existem muitos produtos agrícolas a se estragarem por falta de condições de escoamento para as zonas urbanas.
Esclareceu que a campanha agrícola está em bom ritmo com a previsão de uma boa colheita tendo em conta o nível de cultivo nos nove municípios da província do Bié.

Produtos mais cultivados

A batata-rena, o feijão manteiga, os legumes e as hortícolas são os produtos mais cultivados nesta região em grandes quantidades.
Albano Napoleão, membro da cooperativa agrícola “Njupe Ukukui” (que em português significa “Tirando a pobreza”) composta por 24 camponeses, localizado na comuna da Chicala, disse que “a maior dificuldade está na venda dos produtos e a falta de transporte para o seu escoamento”, alertou.
O camponês e membro da cooperativa, lembrou que para a venda dos produtos são obrigados a alugar carrinhas para a sua transportação e venda na zona urbana, disse.
Albano Napoleão, assegurou que as vias de acesso também têm dificultado na circulação.
O Bié tem uma área de 70.314 quilómetros quadrados (km²) e uma população aproximada de 1. 794.000 habitantes.
A província do Bié está localizada no centro de Angola e é especialmente apta para a produção agro-pecuária. É composta por nove municípios, nomeadamente o Andulo, Camacupa, Catabola, Chinguar, Chitembo, Cuemba, Cunhinga, Cuito e Nharea.