Arménia da Gama, que representou a cooperativa agrícola do Dungo, localizada no município do Icolo e Bengo (Luanda), disse que a preocupação dos camponeses naquela circunscrição, reside no acesso ao crédito, equipamento agrícola e transporte.
Celestina Gomes, que representou o município do Quirima, em Malanje, disse, que a zona constitui o principal celeiro da agricultura a nível da província, tendo destacado que, a região clama por projectos concretos.
Por sua vez, Antónia de Jesus Cassinda, explicou que na província do Huambo, a principal dificuldade reside na obtenção dos adubos, charruas associada a expropriação de terras pelos empresários, oriundos de Luanda.

Quissama dá apoios
A administradora adjunta do município da Quissama, Isabel Melani, a região está entre as principais fontes de hortícolas para os supermercados da capital do país, com realce para o mercado do quilómetro 30, em Viana.
A responsável prometeu trabalhar para melhorar as vias de acesso, assim como o fornecimento de imputes agrícolas para os camponeses. AS

Luanda assiste
cooperativas

A vice-governadora para a esfera Política e Social de Luanda, Ana Paula dos Santos Correia Victor, garantiu que o governo local tem vindo a apoiar a mulher rural, assim como as iniciativas que visam promover as comunidades, assistindo-as na organização das associações e cooperativas agrícolas.A responsável que esteve no evento, em representação do governador provincial de Luanda, disse que estas iniciativas têm como objectivo na materialização das acções constantes do Plano de Desenvolvimento Nacional 2017-2018.Na ocasião, alertou os participantes para que transformem os debates em oportunidade para a troca de experiências e recolha de soluções, que vão contribuir para a melhoria da forma de implementação das políticas viradas para o melhoramento das condições de vida da população, assim como a promoção da solidariedade social e familiar, na municipalização dos serviços, visando o alcance da segurança alimentar e nutricional para todos os cidadãos. 

Mais direitos
No evento, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) pediu aos países membros que tomem medidas destinadas a garantir que as mulheres nas comunidades rurais desfrutam plenamente de seus direitos, desde o da terra, segurança, alimentação e nutrição.
Anastácio Roque que representou a organização disse que é necessário garantir trabalho decente para todos, erradicar a pobreza e a fome e adoptar
medidas ligadas ao clima.
Considerou o empoderamento da mulher rural essencial para a construção de um futuro próspero, equitativo e pacífico.