As casas sociais inseridas no projecto “200 fogos habitacionais”, que ao nível da província do Zaire foram distribuídas de forma incorrecta e algumas em estado de abandono serão desapropriadas e redistribuídas a famílias necessitadas.
Segundo a ministra do Ordenamento do Território e Habitação, Ana Paula de Carvalho, que visitou a província, muitos beneficiários destas residências nem sequer vivem nos quatro municípios contemplados com estes projectos, nomeadamente Nzeto, Cuimba, Tomboco e Nóqui.
Em declarações à imprensa, a ministra disse ter solicitado ao governo local a apresentação do relatório do grau de execução física deste projecto de âmbito nacional.
Este plano começou a ser implementado no Zaire em 2012 e previa a construção de 800 fogos habitacionais, 200 em cada um dos quatro municípios contemplados.
Segundo a ministra, informações preliminares recebidas das autoridades locais apontam para acima dos 50 por cento o grau de execução deste projecto nos municípios do Nzeto, Cuimba, Nóqui e Tomboco.
Prometeu enviar, em breve, uma equipa técnica ao Zaire para trabalhar com as autoridades governamentais locais no levantamento do número de casas já concluídas e distribuídas a eventuais beneficiários, assim como outras sem contrato, inacabadas e em estado de abandono.
Avançou que, as casas inacabadas poderão ser comercializadas a cidadãos interessados que as poderão concluir com fundos próprios, devendo, o sector, encarregar-se na colocação