O Banco Mundial tem disponíveis cerca de 25 milhões de dólares para financiar o recenseamento agro-pecuário que inicia em Maio, através do Instituto Nacional de Estatística (INE), com o término previsto para o ano de 2022.
A informação foi avançada à imprensa, na passada segunda-feira, em Luanda, pelo chefe do Departamento de Contas Nacional e Coordenação Estatística do INE, Agostinho Sardinha, tendo acrescentado que com este Censo se vai conhecer quantos animais de grande e pequeno
porte existem em Angola.
Segundo a fonte, a primeira fase da implementação do projecto vai consumir 19 milhões, que incidirá na recolha e alistagem dos agregados familiares, enquanto os outros seis milhões serão usados para um inquérito complementar pelo Ministério da Agricultura e Florestas.
Segundo a fonte, o projecto vai ter uma denominação de RAPP (Recenseamento Agro-pecuário e Pescas), com o objectivo de recolha, tratar e divulgar informações estatísticas detalhadas sobre agricultura, pecuária e pesca, com o objectivo de apoiar a tomada de decisões e formulações de políticas nestes segmentos por parte do Executivo.
Numa primeira fase, o projecto vai abranger cinco províncias, nomeadamente Uíge, Cuanza Sul, Benguela, Cunene e Moxico para posteriormente estender-se em todo o país.
Estima-se que 800 agentes participarão da implementação do Recenseamento Agro-pecuário e Pescas, estando muitos destes a serem submetidos a acções formativas e superação em diversas localidades do país.
O último censo animal em Angola teve lugar em 1961, há 58 anos. Desta forma, o programa a RAPP constitui o primeiro censo animal pós independência , afirmou a fonte. A divulgação dos primeiros resultados pode acontecer em Junho de 2020.
O JE apurou que o Ministério da Agricultura e Florestas desconhece o número de
animais existentes no país.

Transumância
A transumância continua a ser vista como um desafio às competências dos governos africanos na busca de soluções para os graves problemas
que afligem a pecuária.
Preocupada com o desenvolvimento económico do continente, a União Africana, através do Gabinete Inter-africano dos Recursos Animais da União Africana (IBAR), lançou um estudo que define a Estratégia de Desenvolvimento da pecuária para o período
que vai de 2015 a 2035.
No documento a que o JE teve acesso, a organização continental apela para a necessidade de os Estados membros criarem o Ministério da Pecuária, tendo em vista o aumento do peso do sector no Produto
Interno Bruto de cada país.