A construção da centralidade de Ndalatando, capital da província do Cuanza Norte, cuja primeira fase compreende a implantação de 14 edifícios com um total de 212 apartamentos, conta com um nível de execução de oito por cento.
A obra iniciada em Fevereiro de 2018, na localidade do “Quiombo”, que teve o lançamento da primeira pedra em Julho de 2017, será executada num prazo de 16 meses, em que deverão ser construídos 14 edifícios de quatro pisos cada, com 212 apartamentos da tipologia T3, com um investimento de mais de seis mil milhões de kwanzas.

Obras avançam
Segundo o coordenador da empreitada, Hélder Manuel, a obra decorre a passo acelerado, tendo sido já implantadas as fundações e bases de todos os edifícios a serem construídos nesta primeira fase, apesar dos constrangimentos financeiros decorrentes do actual contexto difícil da economia do país.
Em declarações à imprensa, durante uma visita ao local, realizada na passada sexta-feira, pelo presidente do Conselho de Administração da Imogestin, Rui Cruz, acompanhado do governador provincial do Cuanza Norte, José Maria Ferraz dos Santos, onde se inteiraram dos trabalhos e dos constrangimentos verificados na sua execução.
Apontou a falta de qualquer pagamento inicial à empreiteira como principal constrangimento verificado na execução da obra, a par das dificuldades de fornecimento de energia eléctrica e o acesso à água para o curso normal dos trabalhos.
Esclareceu que, a par das residências, os edifícios a serem construídos abarcam 10 lojas, um Posto de Saúde e estacionamento para viaturas, enquanto a construção de escolas, esquadras policiais, espaços de lazer, central de distribuição de água e outros serviços complementares estão projectados para a segunda fase da empreitada.

Governo vai prestar mais apoio

governador do Cuanza Norte, José Maria Ferraz dos Santos manifestou-se na passada sexta-feira, satisfeito com o curso das obras de construção da centralidade de Ndalatando, que regista níveis elevados de execução.
Cabo.
José Maria Ferraz dos Santos proferiu tal depoimento no final de uma visita de campo que efectuou ao local da obra, tendo elogiado o “sentido patriótico” do empreiteiro que, apesar de não receber qualquer pagamento adiantado, procede a execução das obras com meios próprios, o que faz crer que os trabalhos deverão ser concluídos dentro dos prazos acordados.

Desbloquear dinheiro
José Maria Ferraz dos Santos disse esperar que num curto espaço de tempo, o Ministério das Finanças possa desbloquear as verbas necessárias para a execução normal das obras, a fim de se evitar uma paralisação da empreitada.
Disse que o governo do Cuanza Norte continuará a prestar todo o apoio necessário à empresa construtora, a fim de não se registarem embaraços no curso das obras, sobretudo no que concerne à distribuição regular de energia eléctrica, água e melhoria dos acessos ao local da empreitada.
A futura centralidade de Ndalatando, que está a ser construída na localidade do Quiombo, contará também com 10 lojas, um centro de saúde e estacionamentos.