m centro de apoio à larvicultura será construído este ano, na localidade de Cangongo-Moshimogi, no bairro Sacassange, arredores da cidade do Luena, na província do Moxico, para apoiar os piscicultores locais.
O projecto que é uma iniciativa do Ministério das Pescas, já está infra-estruturado, e aguarda apenas a execução física, disse à Angop, o chefe de Departamento de Pecuária e Pescas da Direcção Provincial da Agricultura, Alexandre Daniel.
“A primeira actividade que temos é a construção do centro de apoio à larvicultura de peixes na localidade de Cangongo-Mushimogi. Esta é uma das acções que já vem a ser perspectivada pelo Ministério das Pescas desde 2013”, acrescentou.
Com este centro espera-se apoiar e incentivar a aquicultura comunal, como fonte alternativa à pesca continental, e a geração de renda para reduzir a fome e a pobreza nas comunidades.
Apelou aos piscicultores no sentido de continuarem com a mesma dedicação e empenho, com vista a se atingirem as metas preconizadas pelo sector para este ano.
Na região, até 2015, o sector das Pescas prevê capturar cerca de 51 milhões 643 quilogramas de peixe diverso em mais de 300 tanques construídos no âmbito do Plano Nacional de Desenvolvimento (PND).

Balanço da produção
Quinhentas e 86 toneladas e 886 quilogramas de peixes diversos foram capturados na província do Moxico durante o ano de 2016, que envolveram mais de sessenta e uma associações piscatórias.
Em relação ao ano de 2015 houve um decréscimo de mais de 500 quilogramas, disse, à Angop, o chefe de Departamento da Pecuária e Pesca da Direcção Provincial da Agricultura, Alexandre Daniel.
Referiu que a redução do número de capturas está ligada a actual conjuntura económica que o país vive. Este facto dificultou o apoio as associações em material de pesca e outras que dinamizariam a actividade ao nível da região.
Sublinhou que a escassez de técnicos nas áreas de captura impossibilitou o controlo das quantidades capturadas nos municípios de Alto Zambeze e Bundas que são os potenciais da província.
Defendeu a criação de infra-estruturas de conservação e outros centros de controlo que permitam aos pescadores uma fiscalização eficaz.
A Direcção Provincial da Agricultura controla 61 grupos de pescadores com mil 495 associados, dos quais 61 mulheres e 42 pescadores particulares nos municípios do Alto-Zambeze, Luacano, Bundas, Cameia e Moxico sede.

Processamento de pescado
Uma plataforma de processamento e conservação de pescado será erguida este ano, na localidade de Lunhachi, sede do município fronteiriço do Alto Zambeze (Moxico), para apoiar a actividade pesqueira na região.
O projecto está a cargo do Fundo das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura, (FAO), em parceria com o Governo da província, informou à Angop, Alexandre Daniel.
A escolha do Alto Zambeze deveu-se ao facto deste, possuir rios muito grandes, como o Tchifumagi e Tchissombo que desaguam no rio Zambeze, tornando-se uma potência piscatória.