O Caminho-de-ferro de Luanda (CFL) poderá contar, brevemente, com a Unidade Diesel Múltipla (DMU), cujo projecto aguarda pela aprovação do Conselho de Ministros.
A informação foi prestada à imprensa pelo presidente do Conselho de administração do CFL, Júlio Bango, na passada terça-feira, no final da visita de constatação das obras que visam duplicar o ramal que liga a Estação do Bungo à Baia.
Júlio Bango disse que a meta é incrementar uma linha para introduzir um novo serviço de transportação de pessoas
e bens através do comboio.
De acordo com o PCA, trata-se de um novo conceito de locomotivas de quatro vagões, com capacidade para transportar mais de 50 passageiros cada e ligeiramente mais veloz em relação às composições em uso no país.
Numa primeira fase, destacou, o CFL prevê adquirir um total de 10 composições.
Para assegurar a manutenção dos equipamentos, a empresa pública conta com o centro de formação profissional localizado, no município do Icolo e Bengo, com capacidade para formar até 100 formandos por ano.

Obras em marcha

A execução do projecto está a 60 por cento e o objectivo é facilitar os acessos ao novo Aeroporto Internacional de Luanda.
Até agora já foram intervencionados aproximadamente 15 quilómetros de um total de 50 até ao Aeroporto
Internacional de Luanda.
As obras de duplicação do ramal serão realizadas em duas fases. A primeira, parte da estação do Bungo até à estação do Baia.
A segunda fase das obras vai se estender da estação do Baia até ao Novo Aeroporto Internacional de Luanda, num
troço de nove quilómetros.
Decorrem igualmente trabalhos das fundações nas estações do Bungo, Musseque e Viana. Já as estações do Capalanga e Baia aguardam pelo arranque das obras.