Os comboios do Caminho-de-ferro de Moçâmedes (CFM) deram início ao transporte de mais de dois milhões de toneladas de ferro gusa concentradas no município da Jamba, província da Huíla e do município do Cuchi, província do Cuando Cubango.
As empresas que fazem o transporte de rochas ornamentais têm uma redução de 30 por cento do custo, em relação ao que acontecia com o transporte por via rodoviária, informou o administrador financeiro do CFM, António da Conceição.
Os comboios do CFM começaram já a transportar diariamente 20 “pedras” de granito e dentro de uma semana, a capacidade aumentará para 40.
Quanto aos preços, o administrador financeiro do CFM disse que a empresa pública ferroviária baixou o preço da transportação de 7,5 kwanzas a tonelada por quilómetro (km), para 6,5, ao longo dos 253 km de linha entre o Lubango e Namibe.

Transporte mais seguro
O presidente do Conselho de Administração da empresa pública de transporte, Daniel Quipaxi, que prestou a informação durante a reunião realizada, no Lubango, entre os governos provinciais da Huíla e do Namibe.
No evento que serviu para a criação das estratégias para corrigir e melhorar a transportação de rochas ornamentais e combustíveis, optando por via ferroviária, através do CFM, o gestor assegurou que para o efeito, estão disponíveis 47 locomotivas.
Explicou que o CFM está a trabalhar com quatro empresas, das oito que existem na transportação do granito na Huíla. Informou que em conjunto com os operadores foram apresentadas as condições técnicas e operacionais.
Daniel Quipaxi informou igualmente que estão disponíveis cisternas para o transporte de gasolina, gasóleo, gás e outros produtos derivados do petróleo.
“Temos a linha-férrea totalmente modernizada, com carris de 50 quilos, contra as anteriores de 35 quilos, e temos ainda o sistema de telecomunicações a funcionar em pleno através de fibra óptica, bem como as estações estão todas em condições de recepcionar e despachar as cargas e passageiros”, disse.
O PCA do CFM disse que estão também criadas condições para o transporte de granito na comuna da Arimba, município do Lubango (Huíla), assim como na região do Sacumar, província do Namibe.
Quanto aos passageiros, com a nova frequência do comboio no troço Lubango/Namibe e Lubango/Menongue, o transporte aumentou para mais de 5 mil pessoas por dia, num total de 100 mil por mês.
A reabilitação e modernização do CFM começou em 2006 e ficou concluída em 2014, tendo sido avaliada em 1,2 milhões de dólares, tendo contemplado a recuperação completa da linha, construção de 56 estações de primeira,segundas e terceiras classe.