Mais de 500 toneladas de milho foram colhidas naprimeira fase da campanha agrícola 2016/2017, no projecto agrícola “Jardins da Yoba” (que actua no ramo da agricultura e pecuária), iniciado em 2014, no município da Chibia, província da Huíla.
O director de produção do projecto “Jardins da Yoba”, João Saraiva, explicou ao JE, que a produção foi feita em 300 hectares, nas três fazendas situadas, uma no município da Humpata e duas na Chibia.
João Saraiva informou que a produção de milho foi feita numa área de 300 hectares com o sistema de produção de regadio, com a aplicação de oito pivots e participam no processo mais de 300 jovens nacionais.
Salientou que, a produção do milho enquadrou-se no quadro das acções do Executivo angolano de aumentar a produtividade nacional.
Reconheceu que a acção do Governo de trazer mais fertilizantes ao país, a preços competitivos e com melhor qualidade, contribuiu significativamente para se atingir níveis aceitáveis na produção de milho nos municípios da Chibia e Humpata.
“Há também esforço por parte do sector privado de recorrer a materiais genéticos a sementes certificadas e de qualidade, para fazer a sua multiplicação de modo a aumentar não só a quantidade, mas também a qualidade da semente, que é um aspecto central na produtividade”, disse.
Indicou que aliado a acção do Ministério da Agricultura, através do Instituto de Desenvolvimento Agrário (IDA) e outros organismos, em fazer optar pelas boas práticas agrícolas.
“Há um trabalho significativo de todos actores, que visa contribuir para o aumento da produtividade do país”, disse, acrescentando que o projecto integra três fazendas, distribuídas nos municípios da Chibia (duas) e da Humpata (uma).

Aumentar a produção

Para a nova época agrícola, João Saraiva, anunciou que está em fase de desmatamento uma área superior a 500 hectares, na localidade de Chaungo, município da Chibia, para aumentar a produção e a produtividade.
“Estamos com uma produção em regadio, onde atingimos na primeira época cerca de 300 hectares. O nosso principal foco é a produção do milho”, revelou, depois de acrescentar que “na primeira época obtivemos excelentes resultados, fizemos o desenvolvimento de duas variedades, sendo de milho amarelo (na localidade do Chaungo), com estimativas de seis toneladas por hectare”.
A semente, informou João Saraiva, está a ser processada na unidade de transformação e processamento, onde posteriormente, o milho (semente) será embalado para ser colocado no circuito comercial e de distribuição, a cargo de estruturas ligadas ao Ministério da Agricultura.
Garantiu que já foram feitos os testes de pureza e germinação, e a semente de milho está com excelente qualidade, o que “orgulha também a província no geral”.
Na produção do milho, referiu, o projecto conta com a experiência de técnicos da Holanda, Zimbabwe, Zâmbia, África do Sul e o Brasil ( principalmente na produção da soja).

Humpata destaca-se

Na fazenda localizada no município da Humpata está a ser cultivado o “milho branco”, onde se obteve também resultados positivos, acima de cinco toneladas por hectare.
O projecto conta ainda com uma área de 50 hectares, cuja produção de milho será canalizada essencialmente para a transformação de fuba, que será vendida no circuito comercial nacional.
À semelhança de outros campos de milho, apesar de se ter registado perdas por causa da praga, que atingiu não só o município da Chibia, como o de Quilengues, Gambos, Caluquembe e Cacula, ainda assim, revelou “conseguiram-se resultados positivos”.

Encorajamento

O governador provincial da Huíla, João Marcelino Tyipinge, reconheceu o potencial dos municípios da Chibia e Humpata, na produção de alimentos em grande escala.
Disse que na área da produção agrícola, o Executivo angolano compromete-se a passar de uma produção anual de 2 milhões de toneladas de cereais (milho, massango, massambala, arroz e trigo) para 5 milhões.
Segundo avançou, prevê-se também melhorar a produção no domínio das leguminosas, (feijão, amedoim e soja), além de raízes e tubérculos (mandioca, batata rena e doce) para se criar reserva alimentar.
Por outro lado, o governante informou que no quadro do programa de diversificar a economia e combater à fome e à pobreza, o governo provincial da Huíla, tem estado a distribuir áreas aráveis aos empresários e pequenos produtores, por forma a aumentar a produção de alimentos.
Disse existir ainda muitas áreas agricultáveis na província que aguardam de investidores.

Projecto aposta na batata

O projecto agro-pecuário “Jardins da Yoba”, instalado nos  municípios da Chibia e Humpata (Huíla), está a permitir incorporar a semente de batata rena no mercado nacional.
O director de produção, João Saraiva, explicou que a empresa, no seu primeiro período de produção apostou na semente de batata rena, sendo que nos municípios da Chibia e Humpata colheu mais de 300 toneladas, tendo colocado no circuito nacional.
Com 600 hectares, divididos em 400 hectares no município da Chibia e 200, na Humpata, permitiu integrar mais de 400 pessoas, no processo produtivo de cereais, hortícolas e tubérculos.
Segundo informou, a semente da batata rena produzida nos dois municípios foi entregue ao Ministério da Agricultura, que depois canalizou-a para os produtores não só da Huíla, mas também para as províncias do Uíge, Malanje, Cuanza Sul e Bié.
Informou que com o melhoramento dos solos, permitiu aumentar a qualidade e níveis de produção.
“Estamos a trabalhar com uma média acima das 30 toneladas por hectare, depois de se fazer a correcção dos solos, optimizando os processos produtivos”, sublinhou.
O gestor adiantou que depois do êxito da primeira fase, já está em preparação o cultivo da batata rena para a segunda época, que será desenvolvida nas três fazendas do projecto a nível da província da Huíla.
“Prespectiva-se cultivar na segunda época cerca de 60 hectares, com estimativas de atingir uma colheita que ronda 800 toneladas”, augurou.
Disse que foram obtidas sementes de batata rena na Holanda, com vista a aumentar a produtividade.