A direcção da Agricultura e Florestas, na província do Huambo, disponibilizou, no início deste mês, apoio técnico, através das administrações municipais e Estações de Desenvolvimento Agrário, para combater a praga do tomateiro que está a se registar, nesta época agrícola, nos municípios
do Longonjo e Caála.
Em declarações a Angop, o director da Agricultura e Florestas, António Manuel Teixeira, explicou que o apoio foi disponibilizado após a conclusão da avaliação realizada
pelos técnicos do sector.
Apesar desta praga, designada por “tuta absoluta”, não ter atingido ainda proporções alarmantes, segundo disse o responsável, a situação já é preocupante, tendo em conta as perdas dos agricultores.
Paralelamente do apoio técnico que está a ser prestado aos produtores de tomate, informou estarem a ser analisadas as soluções mais rápidas de combater a praga, através do uso de
um fito-fármaco adequado.
Disse que a preocupação actual da direcção da Agricultura é impedir que a “tuta absoluta” se alastre para outros municípios, sobretudo os que se destacam no cultivo do tomate.
“Em termos imediatos, as culturas identificadas com a doença devem ser destruídas e deixar o terreno em descanso durante uma estação ou um ano agrícola, para que não haja germes que possam manifestar-se no ano seguinte. Após esta época, nestes terrenos devem ser cultivados outras culturas que não fazem parte da família do tomateiro como por exemplo a batata-rena”, aconselhou a fonte.
Já no município do Mungo, foram entregues, recentemente, cerca de 110 toneladas de adubo composto e 11 de sementes melhoradas de milho e feijão às famílias camponesas organizadas em 11 associações no sector da Gadarinha, acto que marcou, o arranque do Projecto de Desenvolvimento da Agricultura Familiar
e Comercialização (MOSAP II).