A construtora Teixeira Duarte inaugurou recentemente em Talatona (Luanda-Sul), um centro de ensino profissional, que ocupa um espaço total de 3.600 metros quadrados.

A infra-estrutura comporta seis salas destinadas à formação teórica, uma sala de informática, um laboratório de electricidade e electrónica e um laboratório de engenharia civil, todos devidamente equipados.

Segundo o administrador do grupo Teixeira Duarte em Angola, Valder Marques, para a concretização do projecto foram investidos mais de 486,8 milhões de kwanzas.

O responsável disse ainda que, o empreendimento realizará cerca de 800.000 horas de formação por ano, distribuídas em sessões teóricas, que também serão ministradas à distância, através de uma plataforma “on-line” bem como por sessões práticas.

O também conhecido como “centro de desenvolvimento profissional” irá ministrar cursos ligados às áreas de construção (através da academia Teixeira Duarte), distribuição alimentar (academia max) e hotelaria (TD hotel).

“O centro de desenvolvimento profissional é uma estrutura que se dedica na formação em várias áreas. Dentro de cada academia, os formadores poderão adquirir vários níveis, desde o grau inicial até ao avançado, num percurso formativo evolutivo”, explicou o administrador do grupo Teixeira Duarte em Angola.

Parceria estratégica
O projecto prevê igualmente um programa de formação avançado em engenharia, destinado a executivos, resultante de uma parceria entre a Teixeira Duarte, Instituto Superior Técnico (IST) e a Ordem dos Engenheiros de Angola.

No acto de inauguração, procedeu-se também a assinatura de um protocolo com a Universidade Agostinho Neto (UAN), que visa a formação de engenheiros. Para Valder Marques, o acordo com a UAN foi muito importante, principalmente para a elevação da formação dos engenheiros.

Balanço
Instado a fazer um balanço da actividade do grupo, no mercado nacional, o gestor destacou que em 2013 tiveram resultados bastante positivos, tendo efectuado a abertura de uma filial de venda de automóveis no município ferroportuário do Lobito, em Benguela. Actualmente o grupo conta com 6.000 trabalhadores, distribuídos nas 22 empresas que actuam nas diversas áreas.

Brevemente, o grupo empresarial pretende expandir a sua actividade nas áreas da distribuição alimentar, comércio geral, automóvel e na hotelaria. Os mercados das províncias do Huambo e Huíla constam nas prioridades.